MENU

'Única coisa que peço é justiça', diz filho de morta em festa de casamento

'Única coisa que peço é justiça', diz filho de morta em festa de casamento

Atualizado: Segunda-feira, 18 Abril de 2011 as 8:07

Abalado com a morte da mãe, a aposentada Rosa Maria Leite Alves, de 56 anos, após uma festa de casamento em Santo André, no ABC, Leonardo Alves, quer que o assassino seja punido. “A única coisa que eu peço é justiça”, disse.

O crime aconteceu na madrugada de domingo (17), próximo a um bufê onde aconteciam duas festas de casamento. O principal suspeito de matar a mulher, segundo a polícia, é um rapaz de 29 anos, noivo que celebrava o casamento. Em vez de ir para lua-de-mel, ele foi preso por homicídio doloso (quando há intenção de matar) e lesão corporal.

A vítima foi com o marido, o filho e a namorada dele para comemorar o casamento de uma sobrinha. A família já estava indo embora quando sentiu falta do dinheiro que tinha ficado no carro. O filho de Rosa tentou reclamar com a gerência, mas sem explicação foi impedido pelo noivo de uma outra festa de casamento, que acontecia no salão ao lado.

  “Quando eu já tinha deixado o local, meu primo me ligou dizendo que tinha acontecido uma confusão. Só que quando eu cheguei, percebi que a situação era mais difícil, diferente", disse Maurício da Rocha, sobrinho de Rosa Maria.

Leonardo levou vários socos e pontapés. Uma testemunha que viu toda a confusão disse à polícia que o jovem apanhou do noivo e de mais três amigos. “Na hora que eu virei, que eu vi que ia dar confusão, eu tentei voltar para o carro. Ele me puxou pela camisa e me deu uma cabeçada.”

Rosa e o marido viram tudo e desceram do carro para ajudar o filho. Mas também foram espancados pelo grupo. Depois disso, o noivo, segundo a polícia, entrou no carro da família, deu marcha ré e atingiu a mulher, que acabou prensada em outro carro. "Quando ele prensou, ele engatou a primeira e saiu do carro. Uma mulher já estava acudindo a minha mãe, mas ele empurrou a mulher e ainda deu um chute na cabeça dela", disse o filho da vítima.

Equipes do resgate ainda tentaram reanimar Rosa. O noivo foi embora em um carro importado preto. Horas depois do crime, policiais foram à sua casa e o encontraram dormindo. Ele foi levado para uma delegacia e disse que não se lembrava de nada que tinha acontecido. Só que o noivo foi reconhecido por três pessoas como o homem que atropelou a aposentada.

O corpo da aposentada deve ser enterrado às 11h desta segunda-feira (18), no Cemitério de Itaquera, na Zona Leste de São Paulo.        

veja também