MENU

'Ninguém sabe tudo o que acontece no governo', diz Dilma

'Ninguém sabe tudo o que acontece no governo', diz Dilma

Atualizado: Segunda-feira, 20 Setembro de 2010 as 3:30

Candidata do PT reagiu a críticas do tucano José Serra, que a descreveu como 'cúmplice' da crise que derrubou Erenice Guerra A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff , reagiu hoje às declarações feitas no fim de semana pelo rival tucano José Serra , que disse considerá-la "cúmplice" das irregularidades que resultaram na demissão da ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra. Descrita pelo tucano como "má administradora", Dilma investiu na tese de que ninguém sabe tudo o que acontece dentro de seu governo ou mesmo de sua família.

"Ninguém sabe de tudo o que acontece na sua própria família. Ninguém sabe de tudo o que acontece no seu próprio governo", disse Dilma, que devolveu a crítica feita pelo tucano citando denúncias sobre um suposto esquema de arrecadação que teria sido comandado pelo ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza. "Eu tenho visto que o presidente da Dersa ( Desenvolvimento Rodoviário S.A ) que ele ( Serra ) nomeou ( no governo do Estado de São Paulo ), sumiu com R$ 4 milhões da campanha dele ( Serra )”, disse Dilma, lembrando reportagem publicada pela revista Isto É em agosto.

Dilma, que visitou o município de São Gonçalo, região metropolitana do Rio, também rebateu notícia veiculada pelo jornal Folha de S. Paulo . De acordo com a publicação, a empresa gaúcha Meta Instituto de Pesquisas teria contrato de R$ 5 milhões com a Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência para avaliar os principais programas do governo federal que Dilma coordenava quando era ministra. A mesma empresa teria sido contratada pela petista - quando ela era secretária estadual de Minas e Energia no Rio Grande do Sul - em uma licitação onde só a Meta concorreu, em 1992.

“Me acusar em 2009 que a Secom contratou a Meta é, de fato, um absurdo, uma prova de má fé. Onde está a informação de que minhas contas foram aprovadas? Nunca tive uma conta reprovada na minha vida”, disse Dilma. Após a declaração, a petista leu o relatório do Ministério Público em que o órgão aprovava suas contas. De acordo com o jornal, o Tribunal de Contas da União bloqueou os contratos da Meta com a Presidência por 24 meses em 2009.

veja também