MENU

No Rio de Janeiro, protesto tem feridos e dois detidos

No Rio de Janeiro, protesto tem feridos e dois detidos

Atualizado: Terça-feira, 13 Agosto de 2013 as 6

choque

Mais um dia de manifestação no Rio terminou em confronto entre PMs e manifestantes nesta segunda-feira (12). Após caminhada pacífica da Candelária, no Centro, até o Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na Zona Sul, uma confusão começou na porta da sede do governo, onde representantes do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe) do estado e do município e se reuniram com o vice-governador Luiz Fernando Pezão e o subsecretário de Educação, Antonio Neto. Após o encontro, um grupo disse que iria permanecer dentro do palácio, se recusando a sair, e foi expulso pela Polícia Militar e seguranças. Os docentes reclamam da truculência dos agentes oficiais.

A confusão foi ainda pior do lado de fora. Os ânimos se exaltaram com a saída dos professores do palácio e, na Rua Pinheiro Machado, manifestantes derrubaram as grades de proteção do prédio. A PM respondeu usando spray de pimenta, balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo. Os manifestantes responderam com bombas caseiras e pedras. Pelo menos um PM e um jornalista ficaram feridos, atingidos por pedradas. Vários manifestantes foram atendidos por médicos voluntários. Pelo menos duas pessoas foram detidas.
 
O Sepe nega que o sindicato tenha decidido ocupar a casa, e diz que alguns professores que estavam lá resolveram permanecer por conta própria, sem discussão com representantes da classe. Heloísa Grifo, professora do município e do estado contou ao G1 que estava na reunião marcada pelo vice-governador Pezão e que nenhuma reivindicação foi atendida. "Nunca houve intenção por parte dos professores a ocupação do Palácio Guanabara. Os policiais acusaram os professores de terem chamado a passeata, o que não aconteceu. Fomos retirados com força do palácio. Uma professora torceu o pé”, contou.
 
Por meio de nota, o governo disse que parte do grupo decidiu ocupar o palácio. “Irredutíveis, foram retirados do local pela segurança”, disse a nota, criticando o confronto fora da casa. “Esses grupos não estão interessados no diálogo e na democracia. Apenas apostam no caos”.
 
Com a dispersão do protesto em frente ao Palácio Guanabara, cerca de 100 manifestantes voltaram a Câmara Municipal. Dentro da Casa, 12 pessoas prometem dormir no local para pressionar a saída do presidente da CPI dos Ônibus, Chiquinho Brazão (PMDB).
 

veja também