MENU

Novos confrontos entre traficantes e PMs deixam três mortos no Rio; vítimas somam 29

Novos confrontos entre traficantes e PMs deixam três mortos no Rio; vítimas somam 29

Atualizado: Quarta-feira, 21 Outubro de 2009 as 12

Três homens morreram na noite de ontem e na madrugada desta quarta-feira durante confrontos entre traficantes e policiais militares no morro do Juramento, na zona norte do Rio. Com os novos dados, sobe para 29 o numero de mortos em decorrência dos confrontos desde o último sábado -- sendo três moradores e três policiais militares.

Os novos tiroteios causaram pânico na população durante a madrugada. Apesar disso, a assessoria da PM informou que, por volta das 7h30 de hoje, o movimento era tranquilo, inclusive no morro do Juramento e no morro da Fogueteiro - onde um homem morreu ontem. Os policiais militares continuavam nas favelas em busca dos traficantes envolvidos nos ataques criminosos do último fim de semana.

Ontem, a polícia encontrou ainda o corpo de um homem em um carrinho de supermercado na rua Luiz Barbosa, um dos acessos ao morro dos Macacos, em Vila Isabel, na zona norte.

Os confrontos na zona norte do Rio começaram na madrugada de sábado. Em disputa pelos pontos de venda de drogas, traficantes do morro São João e aliados invadiram o morro dos Macacos, controlado pela ADA (Amigos dos Amigos).

Operações

A PM informou que irá manter por tempo indeterminado as operações em morros da região norte da cidade. As operações policiais têm como objetivo prender os traficantes envolvidos nos ataques criminosos do último fim de semana. Um dos principais procurados é o traficante Fabiano Atanásio da Silva, o FB, 33, que atua no complexo de favelas do Alemão (zona norte).

O Disque-Denúncia chegou a oferecer R$ 2.000 para quem desse informações sobre seu paradeiro. Segundo a PM, ele chefia o tráfico de drogas da favela Vila Cruzeiro (zona norte.

A polícia procura ainda Alexander Mendes da Silva, o Polegar, que pode estar envolvido com a invasão. Ele fugiu recentemente da prisão, ao conseguir a progressão do regime fechado para o aberto.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também