MENU

O Ano da Arte em São Paulo

O Ano da Arte em São Paulo

Atualizado: Segunda-feira, 1 Fevereiro de 2010 as 12

Embora o ano esteja apenas começando, alguns museus e galerias já estão com sua programação de exposições confirmada para 2010. Bienal de Arte, Andy Warhol, Chagall, Portinari, Frida Kahlo e muitas outras novidades ficam ao alcance do público paulistano durante este ano, embora algumas ainda não estejam com data de abertura definida, mas basta ficar atento para não perder nenhuma delas. Para orientá-lo, o Guia da Semana preparou algumas dicas para o público ligado em arte de um modo geral.

O Museu de Imagem e som, por exemplo, começou 2010 com a exposição Gary Hill: Circumstances/Circunstâncias , que exibe videoinstalações, uma delas criadas especialmente para a mostra com a obra do norte-americano, um dos precursores da vídeoarte mundial. Já o Masp ataca de O Mundo Mágico de Marc Chagall - O Sonho e a Vida , que já passou por Rio de Janeiro e Belo Horizonte e chegou à capital paulista no final de janeiro. A exposição reúne obras de diferentes etapas da vida do russo, que trabalhou até os últimos dias de seus 97 anos.

O MAM é o museu que mais exposições tem confirmadas até agora. Uma delas é G ordon Matta-Clark, vinda do Chile. A mostra reúne mais de 160 trabalhos do arquiteto norte-americano, entre desenhos, reproduções, projetos, filmes e documentos que evidenciam a subversiva recriação proposta por ele como forma de questionamento das convenções sociais. Outros destaques do museu são o trabalho do artista plástico fluminense Flávio de Carvalho (a partir de 15 de abril), os dez anos do Clube da Fotografia, com 50 trabalhos selecionados dentre os participantes deste projeto (a partir de 1º de julho) e as megainstalações e esculturas do artista carioca Ernesto Neto (a partir de 7 de outubro).

A Pinacoteca do Estado também não fica atrás. Uma de suas principais atrações para 2010 é a vinda de obras do artista pop Andy Warhol, que devem chegar a São Paulo em março após uma temporada no Museu de Arte Latino-Americano de Buenos Aires. Serão 26 pinturas, 57 serigrafias, 39 fotografias, duas instalações e 44 filmes, com destaque para retratos de Marilyn Monroe, Jacqueline Kennedy e Mao Tsé Tung. Também estão previstas mostras de Cândido Portinari, Carmela Gross e Antônio Berni, respectivamente em abril, agosto e setembro, mas ainda sem datas definidas para estrearem.

Outro grande destaque dentre os eventos previstos para este ano é a 29ª edição da Bienal de Arte de São Paulo, a ser inaugurada em 21 de setembro. Com curadoria do economista e pesquisador Moacir dos Anjos, a mostra abrangerá uma visão pluralista e integrada da arte, pautada em conceitos como a relação entre estética e política e a experimentação. Deverão participar diversos artistas estrangeiros, embora a tendência seja uma aproximação dos nomes nacionais, sugerindo uma nova visão sobre tal produção.

Na Caixa Cultural, o olhar curioso do artista plástico suíço John Graz a respeito do Brasil, entre desenhos e telas em grande dimensão, ocupa o pavilhão da Sé desde janeiro. Lá, também Brava Gente , que reúne 60 obras do artista plástico, ilustrador e designer gráfico Tide Hellmeister sobre suas observações de personagens do cotidiano e que esteve em cartaz no Rio de Janeiro, Salvador e Brasília.

O Itaú Cultural, por sua vez, inagura em março sua primeira grande exposição. Trata-se da obra de Hélio Oiticica, que deve ocupar três andares do prédio da instituição, na Avenida Paulista. A mostra chegou a estar em xeque devido ao incêndio ocorrido na casa da família do artista, em outubro do ano passado, mas a recuperação de quase 70% do acervo e obras que estavam em outros locais asseguraram a exposição. Parte do projeto Ocupação, a música e o legado de Chico Science, criador do movimento mangue beat, também estarão por lá em fevereiro de 2010, com objetos que marcaram sua trajetória.

O fotógrafo e etnólogo francês Pierre Verger, conhecido por seus estudos sobre a conexão, África-Brasil-África, apresenta seu trabalho feito em Buenos Aires a partir de maio, no Memorial da América Latina. A exposição é uma homenagem aos 200 anos de independência do país vizinho e faz parte da Bienal de Fotografia de São Paulo. Outra mostra importante deste centro cultural é Frida Khalo e Artur Bispo do Rosário, com obras da artista mexicana vindos da Casa Azul e materiais do sergipano, os quais são bastante ligados à temática excludente.

Por fim, o Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB inaugura em abril a exposição Aguilar 50 Anos com pinturas, desenhos e videoartes relativas ao trabalho do artista multimídia José Roberto Aguilar, enquanto que, no Museu da Casa Brasileira, o arquiteto e designer Carlos Motta apresenta em 18 de maio seu trabalho com madeira na confecção artesanal de cadeiras, mesas, poltronas e bancos.

veja também