MENU

Obra de arte eletrônica mapeia ondas sonoras

Obra de arte eletrônica mapeia ondas sonoras

Atualizado: Quarta-feira, 6 Outubro de 2010 as 3:02

Anote aí: a sua felicidade pode ser mapeada, impressa no papel e tem 6,8 mW (miliWatts, campo magnético usado na radiação).

É possível quantificar isso em uma das instalações do arte.mov, festival de arte digital organizado pela Vivo que foi realizado em Salvador na semana passada, e cujo mote é a reconfiguração do espaço urbano a partir dos dispositivos móveis, como celulares e aparelhos GPS.   Para obter o efeito desejado em "Devorondina", muitos artefatos tecnológicos: três sensores para medição de ondas de rádio, eletromagnéticas e sonoras.

Um software mapeia os dados dos sensores e os envia a um sistema de processamento; uma impressora, um monitor, um fone de ouvido e um carrinho de café que completam a instalação digital. O resultado é uma engenhoca móvel com LEDs e ondas desenhadas no computador, que passeou pelo bairro Rio Vermelho, na capital baiana. E despertou a atenção dos transeuntes.

EXPANDIR OS SENTIDOS

"Várias pessoas ficaram interessadas e começaram a refletir sobre os diferentes tipos de onda a que estão expostos", disse o produtor artístico Manuel Andrade. O cineasta e programador Bruno Vianna, a designer sonora Vanessa De Michelis e o programador Felipe Turcheti são coautores do trabalho.

A obra é baseada no livro "Eupalinos ou o Arquiteto", de Paul Valéry, em que o protagonista, cego, tem ouvidos tão poderosos que são capazes de "devorar" ondas, ventos e monstros.

"A ideia é usar a tecnologia para expandir os sentidos e perceber ao que estamos expostos de maneira invisível [as ondas sonoras e eletromagnéticas, no caso]", explica Andrade. "E dar um direito de escolha para um lugar mais tranquilo, com baixa intensidade de ruído." "Sempre tive a curiosidade de 'ver' o som, a intensidade da onda sonora sempre me atraiu muito", contou Vanessa. "Acho que a obra se coloca a partir disso."

E quanto à medição de felicidade? Andrade ri. "São meus estudos. Descobri isso em pesquisas. Aparelhos eletrônicos têm emissão de 50 Hz, em média. Celulares, milhares. A obra consegue captar transmissões humanas porque somos emissores e receptores de ondas", explica. "Hoje [sexta passada] estava apreciando a obra e consegui medir a emissão do meu corpo. Eram 6,8 mW.     Postado por: Guilherme Pilão

Anote aí: a sua felicidade pode ser mapeada, impressa no papel e tem 6,8 mW (miliWatts, campo magnético usado na radiação).

É possível quantificar isso em uma das instalações do arte.mov, festival de arte digital organizado pela Vivo que foi realizado em Salvador na semana passada, e cujo mote é a reconfiguração do espaço urbano a partir dos dispositivos móveis, como celulares e aparelhos GPS.   Para obter o efeito desejado em "Devorondina", muitos artefatos tecnológicos: três sensores para medição de ondas de rádio, eletromagnéticas e sonoras.

Um software mapeia os dados dos sensores e os envia a um sistema de processamento; uma impressora, um monitor, um fone de ouvido e um carrinho de café que completam a instalação digital. O resultado é uma engenhoca móvel com LEDs e ondas desenhadas no computador, que passeou pelo bairro Rio Vermelho, na capital baiana. E despertou a atenção dos transeuntes.

EXPANDIR OS SENTIDOS

"Várias pessoas ficaram interessadas e começaram a refletir sobre os diferentes tipos de onda a que estão expostos", disse o produtor artístico Manuel Andrade. O cineasta e programador Bruno Vianna, a designer sonora Vanessa De Michelis e o programador Felipe Turcheti são coautores do trabalho.

A obra é baseada no livro "Eupalinos ou o Arquiteto", de Paul Valéry, em que o protagonista, cego, tem ouvidos tão poderosos que são capazes de "devorar" ondas, ventos e monstros.

"A ideia é usar a tecnologia para expandir os sentidos e perceber ao que estamos expostos de maneira invisível [as ondas sonoras e eletromagnéticas, no caso]", explica Andrade. "E dar um direito de escolha para um lugar mais tranquilo, com baixa intensidade de ruído." "Sempre tive a curiosidade de 'ver' o som, a intensidade da onda sonora sempre me atraiu muito", contou Vanessa. "Acho que a obra se coloca a partir disso."

E quanto à medição de felicidade? Andrade ri. "São meus estudos. Descobri isso em pesquisas. Aparelhos eletrônicos têm emissão de 50 Hz, em média. Celulares, milhares. A obra consegue captar transmissões humanas porque somos emissores e receptores de ondas", explica. "Hoje [sexta passada] estava apreciando a obra e consegui medir a emissão do meu corpo. Eram 6,8 mW.     Postado por: Guilherme Pilão

veja também