MENU

"Os evangélicos pagaram o pato", afirma Jarbas Vasconcelos

"Os evangélicos pagaram o pato", afirma Jarbas Vasconcelos

Atualizado: Segunda-feira, 27 Setembro de 2010 as 4:40

Senador fez carreata no último domingo de campanha O senador Jarbas Vasconcelos, candidato do PMDB ao Governo de Pernambuco, comentou a ação que o PT moveu, anteontem, contra o ato promovido por pastores em Jaboatão dos Guararapes. O grupo protestava contra propostas polêmicas que seriam defendidas pelo partido, como legalização do casamento homossexual e do aborto. "É porque o PT não tolera crítica. Lula não tolera crítica e o PT também... O governador aqui (Eduardo Campos, PSB) vem da mesma escola, a escola de Lula, também não quer crítica, quer que tudo seja bem, não quer oposição, não quer o contraditório, enfim, quer exterminar a oposição. Os evangélicos pagaram o pato esse final de semana", criticou o senador.

Uma grande carreata marcou o último domingo de campanha do peemedebista. O cortejo de militantes com bandeiras e adesivos percorreu 11 km durante cerca de 2h30, no município de Abreu e Lima. Tocando jingles dos companheiros de sua chapa, o carro de som conclamava a população a votar no senador, destacando feitos como ações em prol da Refinaria e do Porto de Suape.

Junto a Jarbas, em cima da primeira picape, estavam também o senador candidato à reeleição Marco Maciel (DEM), o candidato a deputado federal Raul Henry (PMDB), a candidata a deputada estadual Terezinha Nunes (PSDB) e o prefeito de Abreu e Lima, Flávio Gadelha (PMDB). Uma "participação", no entanto, foi mais inusitada. Apesar de estar na carreata da Frente Popular de Pernambuco, que acontecia no mesmo horário no Recife, o candidato a senador Humberto Costa (PT) foi uma das figuras mais vistas no evento em Abreu e Lima. Foram vários os veículos portando, lado a lado, bandeiras de Henry, Jarbas e Humberto, havendo até mesmo militantes trajadas com vestidos feitos a partir da bandeira do petista. Eram várias, também, as faixas nas casas dizendo "Flávio Gadelha vota assim", e estampando Henry, Terezinha, Maciel, Jarbas e Humberto. O candidato ao governo, todavia, disse não se incomodar, pois já havia sido comunicado da aliança de Gadelha com o petista antes mesmo do início da campanha. "O prefeito tinha avisado desde antes do início da campanha, que era amigo e tinha compromisso com ele, de modo que quando entrei na campanha entrei sabendo disso", minimizou.

Para a última semana de campanha o peemedebista anunciou apenas a continuação da estratégia que vem mantendo. "Nada de especial, é tocar a campanha com os recursos e material que tem, e procurar ir à rua. Tenho reunião amanhã cedo, 8h, para fechar toda agenda de segunda, quarta e quinta", afirmou o candidato, que não terá agenda na terça-feira, por conta do último debate entre candidatos ao Governo, na TV Globo.

Por Beatriz Gálvez

veja também