MENU

Ovos de tartaruga são apreendidos em RS

Ovos de tartaruga são apreendidos em RS

Atualizado: Sexta-feira, 8 Janeiro de 2010 as 12

Seis meses de investigação do Comando Ambiental da Brigada Militar culminou em uma ação de apreensão de milhares de ovos de tartaruga que eram mantidos clandestinamente em propriedades rurais próximas ao pedágio Rio Grande-Pelotas, na localidade de Barra Falsa. Na manhã desta sexta-feira (8), um comboio do comando foi até uma das propriedades envolvidas no crime para retirar os ovos do local.

Com o envolvimento de um efetivo composto por 30 homens, até o momento foram localizados nove canteiros, em quatro pontos de diferentes propriedades. Segundo o capitão Márcio André Facin, o número exato de ovos só poderá ser afirmado após a conclusão de todos os levantamentos. A análise técnica e o acompanhamento durante toda a operação está sendo feita pelo Núcleo de Reabilitação da  Fauna Silvestre da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

De acordo com o veterinário da universidade, Luiz Fernando Minello, os exemplares são da espécie Tigre D'Água, nativa da região e possivelmente eles foram coletados nas margens do canal São Gonçalo, após o período de reprodução das fêmeas. A ação de apreensão foi realizada imediatamente, pois o período de eclosão acontece na primeira quinzena de janeiro, após isso o monitoramento ficaria comprometido.

Dois homens envolvidos no crime já foram identificados e presos pela polícia. Com um deles, o caseiro de uma das propriedade preso na manhã desta sexta-feira, foram encontradas duas armas de caça. Os criminosos serão julgados e, se condenados, a pena pode variar de seis a 12 meses de detenção, mais multa determinada pelo juíz e multa de R$500 por espécie paga ao Ibama, por reparação de dano ambiental.

Há dois anos o Comando Ambiental da Brigada Militar não realizava um flagrante como este. Em nove anos de ações do tipo, esta é a quarta apreensão. ''Pelo o que foi visto até agora, nós imaginamos que esta seja uma das maiores operações feita até hoje no Rio Grande do Sul'', afirmou Facin.

Por Hélen Albernaz

veja também