MENU

Pai conta como soube da morte de estudante na USP

Pai conta como soube da morte de estudante na USP

Atualizado: Quinta-feira, 19 Maio de 2011 as 3:16

Pai de estudante morto na USP soube de assalto pela sogra do filho (Foto: Juliana Cardilli/G1)

  O pai do estudante Felipe Paiva Ramos, de 24 anos, morto após ser baleado em um estacionamento da Universidade de São Paulo (USP) na noite desta quarta-feira (18), ficou sabendo que algo de errado havia ocorrido com o filho por meio da sogra do estudante, que ligou na casa da família contando que o jovem havia sofrido um assalto. Apesar de ter sido avisada por amigos da filha que o estudante havia morrido, a mãe da namorada de Felipe não quis acreditar, e tentou poupar a família do jovem.

O estudante costumava chegar em casa às quartas por volta das 22h. Como ele não apareceu, os pais ficaram preocupados. Logo depois, a psicóloga Valderes Marins, mãe de Maiara Marins Lopes, namorada de Felipe, ligou para os pais do jovem.

“Ele não chegou, a sogra dele ligou falando que tinha acontecido algo na USP, mas não explicou nada, só deu uma ideia. Então nós fomos para lá, a gente ligava no celular dele e ele não atendia. Quando chegamos falaram que um rapaz tinha sido assassinado. Percebemos que era o pior. Foi um golpe duro”, afirmou o pai do rapaz, o projetista Ocimar Paiva.

Maiara, namorada de Felipe, e a mãe, Valderes (Foto: Juliana Cardilli/G1)

  Emocionada, Valderes também tentou poupar sua filha, mas não conseguiu. “Uma amiga da minha filha ligou em casa, ela [a filha, Maiara] atendeu, e a amiga pediu para falar comigo. Ela falou que tinha acontecido um assalto e que o Felipe tinha falecido. Ainda tentei localizá-lo nos hospitais, não querendo acreditar. Tentei falar para minha filha com calma, mas ela percebeu pela minha reação”, contou.

Após não conseguir notícias de Felipe em alguns hospitais, Valderez ligou para os pais do jovem. “Falei que tinha acontecido um assalto, mas não dei detalhes, e falei para eles irem para a USP. Depois liguei para um colega deles [da filha e de Felipe], que me confirmou. Logo em seguida os pais do Felipe me ligaram avisando que já estavam no local e que o pior tinha acontecido. Mas eu já sabia”, explicou a psicóloga. Valderes seguiu para a USP para dar apoio à família. “Ele era um menino de ouro.”     Felipe foi baleado quando chegava a seu carro, blindado, no estacionamento da Faculdade de Economia e Administração (FEA), onde cursava ciências atuariais (ou atuária). Os pais do jovem acreditam que ele possa ter reagido a uma tentativa de assalto, o que já havia ocorrido outras duas vezes. O enterro do rapaz será realizado às 16h desta quinta no Cemitério da Saudade, em Caieiras, na Grande São Paulo.

Estudante morto na USP é velado (Foto: Juliana Cardilli/G1)          

veja também