MENU

Pai de rapaz morto por picada de cobra reclama de atendimento

Pai de rapaz morto por picada de cobra reclama de atendimento

Atualizado: Segunda-feira, 7 Novembro de 2011 as 3:25

Pai diz que médicos demoraram para dar soro

antiofídico para filho (Foto: Reprodução/ TV Morena) A família do rapaz de 27 anos, que morreu após ser picado por uma cobra peçonhenta em Campo Grande, acredita que houve demora e negligência no atendimento do filho. O pai da vítima, Milton Paulo de Souza, afirmou ao G1 que o filho foi levado para o hospital no início da madrugada de domingo (6), mas foi medicado com o soro antiofídico somente pela manhã, quase seis horas depois.

Segundo informações da família, o rapaz teria sido picado pelo animal peçonhento por volta das 17 horas (horário local) de sábado (5), durante um passeio em uma cachoeira. Segundo informações do pai, o rapaz foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Vila Almeida por volta das 19h30, e depois foi transferido para o Hospital Regional.

O Centro Integrado de Vigilância Toxicológica (Civitox), que foi acionado pelo hospital, confirmou que o rapaz tomou o soro antiofídico na manhã de domingo, após serem concluídos os exames médicos do paciente.

“Ele chegou no hospital e tomou remédios para dor, depois passou por exames. Não entendi porque demoraram tanto para dar o soro antiofídico para o meu filho”, indagou Sousa.

Sousa informou ainda que o filho era usuário de entorpecentes e, no dia do acidente, teria ingerido bebidas alcoólicas. “Ele disse para os enfermeiros que ouviu o chocalho e depois sentiu a picada da cobra, mas eles não acharam o local da picada no corpo do meu filho. Acho que eles não acreditaram, ou não levaram a sério”, afirmou o pai.

De acordo com o médico e coordenador do Civitox, Sandro Benites, nos casos de picadas de animais peçonhentos, o resultado é melhor e as chances de salvar o paciente são maiores quando a soroterapia é aplicada mais rapidamente. A direção geral do Hospital Regional Rosa Pedrossian informou, em nota, que “não houve omissão de socorro ao paciente, mas determinou a abertura de sindicância para averiguar as eventuais falhas técnicas ou administrativas no atendimento”.

Cobra cascavel

O biólogo Isaías Pinheiro, do Civitox, informou ao G1  que a suspeita é de que a vítima tenha sido picada por uma cobra cascavel. “O chocalho é típico desse tipo de serpente peçonheta. Além disso, a estação do ano em que estamos é propícia para o aumento da incidência desses animais”, explicou o biólogo.

Ainda segundo Pinheiro, a cascavel é a cobra com o segundo veneno mais potente do estado. “A toxicidade do veneno dela perde apenas para as corais verdadeiras”, comentou o biólogo.          

veja também