MENU

?Parecia uma avalanche?, diz morador sobre afundamento de rua em SP

?Parecia uma avalanche?, diz morador sobre afundamento de rua em SP

Atualizado: Sexta-feira, 10 Dezembro de 2010 as 4:41

Moradores da Rua José Bonifácio, em Jandira, na Grande São Paulo, aguardavam na manhã desta sexta-feira (10) uma vistoria das casas interditadas após a queda de um muro e o afundamento da via na noite de quinta-feira (9). Seis imóveis foram interditados depois que a rua cedeu cerca de dois metros. Foi o vigia João Henrique da Silva, de 47 anos, que avisou os vizinhos quando o desabamento começou, evitando que alguém ficasse ferido.

O muro é de uma empresa de terraplanagem e delimita o espaço do polo industrial 2 de Jandira, em construção. Silva trabalha na empresa e ouviu quando o muro começou a ceder. “Parecia uma avalanche. Eu estava trabalhando quando começou a estalar e liguei para minha mulher e minha vizinha e falei: ‘Sai todo mundo daí que está descendo’. Aí começou a desabar tudo e descer, e não teve mais jeito. Foi tudo estourando, amassando, remoendo e descendo”, contou ele nesta manhã.   O vigia passou a madrugada na rua acompanhando a situação. Ele mora há dez anos no mesmo endereço e nos últimos dias, assim como seus vizinhos, percebeu rachaduras na rua. “Achei que a minha casa ia cair. Sempre estávamos verificando e estava descendo. Estamos acompanhando dia a dia.”

De acordo com os moradores, a Defesa Civil já havia sido acionada nesta quinta durante o dia e informou que voltaria nesta sexta para interditar a rua, devido às rachaduras na via. Entretanto, durante a noite, a rua cedeu rapidamente. “Foi coisa de 20 minutos para a rua afundar. Meu vizinho ligou mandando sair da casa que estava caindo tudo. Aí quando eu olhei a rua já tinha afundado. Meus filhos saíram correndo, que a gente mora na parte de cima, e saímos”, contou Luciene Marques, de 40 anos. “Na hora eu tomei um susto, entrei em desespero, fiquei muito nervosa.”   Os moradores ainda não foram autorizados a entrar em suas casas para retirar seus pertences – era aguardada a realização da perícia nesta manhã para essa permissão. De acordo com os vizinhos, uma das famílias que teve sua casa interditada viajou no fim da tarde desta quinta e ainda não sabe o que aconteceu.

Equipes da Defesa Civil passaram a noite na rua monitorando a situação. Nesta manhã, em conjunto com técnicos da Sabesp, faziam uma inspeção para tentar determinar o que causou o afundamento da via. Ainda não se sabe se um vazamento na rede da Sabesp foi a causa, ou se a tubulação se rompeu após o asfalto ceder.

O fornecimento de água precisou ser cortado. Nesta manhã, a Sabesp tentava restabelecer o abastecimento para as casas que não foram interditadas.

A mesma rua já foi palco de outro desabamento, em 2009. Na ocasião, três casas que ficavam junto ao muro desabaram. Outras foram interditadas e permanecem vazias. Moradores entraram na Justiça contra a empresa. Procurada, a empresa não foi encontrada para comentar o assunto.    

veja também