MENU

Parentes e convidados chegam ao funeral de Amy Winehouse

Parentes e convidados chegam ao funeral de Amy Winehouse

Atualizado: Terça-feira, 26 Julho de 2011 as 10:07

O funeral de Amy Winehouse está sendo realizado nesta terça-feira (26), em Londres, três dias após a morte da cantora de 27 anos, cuja causa ainda não foi esclarecida. Segundo a rede de TV BBC, parentes e amigos estão no cemitério Edgwarebury, em Londres. Um porta-voz da família informou que a cerimônia será íntima. De acordo com a BBC, após 45 minutos de cerimônia para 200 pessoas, ela será cremada. A cantora Kelly Osbourne e outras convidadas foram vistas com o famoso penteado de Amy.

O produtor Mark Ronson chega ao funeral de Amy

Winehouse nesta terça-feira (26) em Londres

(Foto: AP/Ian West)

  Segundo o tabloide britânico "Metro", o ex-marido de Amy, Blake Fielder-Civil, foi banido da cerimônia a pedido do pai da cantora. "Seria um completo insulto ele estar lá", disse Mitch, pai de Amy. O jornal também diz que Blake foi deixado de fora do testamento de 10 milhões de libras, deixado pela cantora. O ex está preso cumprindo pena de 32 meses por roubo.

De acordo com publicações locais, incluindo o "Jewish Chronicle Online", fonte de informações da comunidade judaica britânica, a cerimônia segue preceitos da tradição judaica. A decisão teria sido tomada pelos pais de Amy, Mitch e Janis Winehouse, de famílias judias.

Polêmica com tatuagens

Pela religião judaica, o corpo deve ser enterrado o mais rápido possível após a morte. Na segunda, tabloides já especulavam sobre impedimentos para que o funeral da cantora seguisse estritamente as regras da lei judaica. Entre os eventuais empecilhos poderiam estar as tatuagens espalhadas pelo corpo da cantora. 

"Muitas pessoas acreditam que pessoas tatuadas não podem ser enterradas de acordo com o padrão judeu, mas não é verdade. Tatuagens são proibidas no judaísmo, mas não há regras barrando pessoas com tatuagens de serem enterradas de acordo com os padrões judeus", afirmou ao G1 Vivian Goldring, funcionária da área de segurança da Comunidade Judaica de Londres que estava em frente à casa de Amy.

A informação é confirmada pelo rabino emérito Henry Sobel. "Não se deve mudar o corpo, tentar aperfeiçoá-lo. Se for viável, tiramos [as tatuagens]. Se não for viável, não tiramos. Não é obrigatório", explica.

Ambos ressaltam também que o corpo deve ser enterrado o quanto antes. Esse teria sido o motivo pelo qual o instituto médico legal de Londres teria apressado os procedimentos de necrópsia e devolvido o corpo de Amy para a família ainda nesta segunda.     "Amy deveria ter sido enterrada no sábado, quando foi pronunciada falecida. As tradições judaicas dizem que o corpo deve ser enterrado o mais rápido possível após o pronunciamento da morte", defende Goldring. “De acordo com a lei judaica, devemos realizar o sepultamento três dias após o falecimento. Por questão de respeito ao falecido”, completa Sobel.

Após a cerimônia funerária, inicia-se um período de sete dias chamado "Shiva", no qual a família recebe parentes e amigos para ser consolada. "A solidão provocada pelo falecimento é muito dolorida. Então tentamos aliviar a dor, realizando sete dias de reza, quando as pessoas vêm com palavras de consolo e gestos de carinho”, conclui Sobel.

Necrotério St. Pancras Coroner's Court, em Londres,

onde o corpo de Amy Winehouse foi examinado

(Foto: Pedro Caiado/G1)

  Causa segue indeterminada

Uma necrópsia realizada nesta segunda-feira no corpo de Amy Winehouse obteve resultados inconclusivos sobre o motivo de sua morte. Amostras de sangue e tecidos foram colhidas para analisar a presença de drogas, álcool ou outras substâncias suspeitas no corpo de Amy.

Os resultados dos exames toxicológicos devem sair entre duas e quatro semanas.

Mais cedo, um porta-voz da Polícia Metropolitana de Londres havia descartado a existência de "circunstâncias suspeitas" em torno da morte de Amy Winehouse. Em outras palavras, a polícia não encontrou evidências de crime.

Segundo a BBC, o resultado do inquérito policial sobre as circunstâncias da morte não sairá antes 26 de outubro.

Os pais de Amy Winehouse, Mitch e Janis, em frente à casa da cantora nesta segunda (25) (Foto: Reuters)

  'Sobrinha, irmã e filha maravilhosa'

Durante a manhã de segunda-feira, Mitch Winehouse, pai de Amy, esteve em frente à casa da filha   e falou com os fãs no local. "Muito obrigado a todos por estarem aqui. Vejo vocês em breve", disse ele, que estava em turnê em Nova York quando soube da notícia.

A família de Amy Winehouse divulgou comunicado no domingo lamentando a morte da cantora. "Ela deixa uma lacuna em nossas vidas", diz a nota, que a define como "sobrinha, irmã e filha maravilhosa. Estamos nos reunindo para nos lembrar dela e gostaríamos de privacidade e espaço neste momento terrível."

O "Sunday Mirror" trouxe uma entrevista com a mãe da cantora, Janis, que disse acreditar que a morte da filha era "apenas uma questão de tempo" quando a encontrou, um dia antes de ela morrer.     'Sozinha na cama'

Em matéria de capa nesta segunda-feira, o tabloide "The Sun" afirmou que Amy estava morta em sua cama havia seis horas quando foi encontrada .

Segundo o jornal, a cantora fazia check-ups regulares de saúde por causa de sua batalha contra drogas e um médico a teria examinado na noite da sexta-feira. Tabloides publicaram relatos de que Amy teria comprado drogas, incluindo cocaína e ecstasy às vésperas de sua morte.

Chris Goodman, representante e amigo de Amy Winehouse, afirmou ao site TMZ neste domingo (24) que a cantora "morreu sozinha na cama" .

Ainda segundo Goodman, a morte teria sido presenciada por um segurança particular, que havia sido destacado para cuidar de Amy. Foi este homem quem chamou o resgate, disse o assessor.

"Ela estava no quarto dela, depois de dizer que queria dormir. E quanto ele [o segurança] foi acordá-la, percebeu que ela não estava respirando", contou Goodman ao TMZ. "Ele chamou os serviços de emergência imediatamente. Ele estava em choque. Neste momento, ninguém sabe como ela morreu. Ela morreu sozinha na cama", completou.     Biografia

Amy Winehouse nasceu em Londres, em uma família judia. Começou a ouvir jazz quando criança e formou a primeira banda aos dez. Filha de uma farmacêutica e de um motorista de táxi, com o qual tinha uma relação conturbada, ela cresceu na área de Southgate, no norte de Londres. Seus tios maternos eram músicos de jazz profissional.

Aos 16 anos, Amy passou a cantar profissionalmente. O primeiro disco, "Frank", foi lançado quando ela completou 20 anos e produzido por Salaam Remi. O segundo trabalho, "Black to black", saiu em 2006. O disco foi produzido por Mark Ronson e tinha como banda de apoio os Dap Kings, que também se apresentaram recentemente no Brasil.

Foi "Back to black" que consagrou a cantora. O trabalho lhe rendeu cinco prêmios Grammy, o Oscar da música internacional.

A morte precoce de Amy Winehouse aos 27 anos se junta a uma trágica lista de roqueiros que também morreram nesta idade , por consequência direta ou indireta do uso de drogas, entre eles, Janis Joplin, Kurt Cobain, Jim Morrison, Brian Jones e Jimi Hendrix.          

veja também