MENU

Parte de Guarulhos ainda tem gelo após chuva de granizo

Parte de Guarulhos ainda tem gelo após chuva de granizo

Atualizado: Quarta-feira, 22 Setembro de 2010 as 8:52

Parte da cidade de Guarulhos, na Grande São Paulo, ainda tinha gelo pelo chão na manhã desta quarta-feira (22), após a chuva de granizo que atingiu o município na noite desta terça-feira (21). Durante a tempestade, ruas e telhados ficaram brancos, tomados de pedras de gelo.

Em uma revenda de veículos na Avenida Doutor Timóteo Penteado, ainda era possível ver uma camada de gelo nesta manhã. A lona que cobria os carros foi rasgada e parte da estrutura de ferro também caiu sobre os veículos. Moradores contaram que a camada de gelo chegou a mais de um metro de altura, mas grande parte já derreteu.

A Defesa Civil da cidade informou que atendeu 38 ocorrências na noite de terça. De acordo com Marisa Zampoli, diretora do órgão, ninguém ficou ferido – algumas pessoas tiveram escoriações leves por causa do gelo.

Nesta manhã, a Prefeitura de Guarulhos irá disponibilizar maquinário e pessoal de varrição para limpar as ruas. O caso mais grave foi em um prédio de quatro andares na Rua Mogi das Cruzes, na Vila Galvão, que teve que ser interditado. Houve um deslizamento de terra e a cozinha de um apartamento no térreo foi invadida. A mangueira do gás estourou e houve vazamento. Os bombeiros isolaram a área e os moradores dos sete apartamentos precisaram ser retirados. Cerca de duas toneladas de terra invadiram o local, mas a estrutura do prédio não foi abalada. Por isso, os moradores devem voltar nesta manhã.

De acordo com os meteorologistas, a terça-feira foi muito quente, com temperatura máxima de 29ºC. A combinação da temperatura alta e o encontro de ar seco que vinha do interior com o ar úmido que veio do litoral formou as nuvens da tempestade de granizo.

No interior das nuvens, as gotas de chuva se congelaram, formando o granizo porque foram levadas por correntes de vento para regiões mais altas, onde a temperatura estava abaixo de zero.

Postado por:Guilherme Pilão

veja também