MENU

Paulistano passa quase 1 mês por ano parado no trânsito, diz pesquisa

Paulistano passa quase 1 mês por ano parado no trânsito, diz pesquisa

Atualizado: Quinta-feira, 22 Setembro de 2011 as 2:51

Uma pesquisa do Ibope encomendada pela Rede Nossa São Paulo mostra que os paulistanos chegam a passar quase um mês por ano parados no trânsito. A frota da capital já tem 7 milhões de veículos e não para de crescer. O motorista de São Paulo passa até 2 horas e 49 minutos tentando se deslocar pela cidade - 7 minutos a mais do que o apontado pela pesquisa de 2010. A pesquisa realizada neste ano mostra que a porcentagem dos paulistanos que usam carro todos os dias cresceu. Com isso, os congestionamentos estão incomodando cada vez mais os moradores da cidade.   “Essa é a pior avaliação dos últimos cinco anos. Hoje, 55% da população paulistana acha o trânsito de São Paulo péssimo”, afirma Márcia Cavallari, diretora do Ibope. Ainda segundo a pesquisa, a maioria dos entrevistados deixaria o carro em casa se tivesse uma alternativa.

“Todo mundo tem direito a ter seu carro. O que nós não podemos é não ter transporte coletivo. É impossível todo mundo andar ao mesmo tempo nas grandes cidades de automóvel”, diz Maurício Broinizi, da Rede Nossa São Paulo.

Os entrevistados também opinaram sobre qual seria a solução para os congestionamentos da capital paulista. Eles citaram investimentos em linhas de Metrô, trens e ciclovias, além dos corredores de ônibus.

“Outras cidades do Brasil, inclusive cidades médias, já enfrentam graves problemas de congestionamentos. Mais importante que tudo é aumentar a opção e a oferta a qualidade do transporte coletivo”, alerta o coordenador geral da Rede Nossa São Paulo, Oded Grajew.

Investimentos

A Prefeitura de São Paulo informou que planeja construir três corredores exclusivos de ônibus na cidade. Com isso, serão mais 25 km de pistas. Hoje, a cidade tem dez corredores. Já o governo estadual afirma que está investindo na modernização e na expansão do Metrô. O orçamento para 2011 é de quase R$ 5 bilhões.          

veja também