MENU

Pedestres relatam mais respeito de motoristas com presença da CET

Pedestres relatam mais respeito de motoristas com presença da CET

Atualizado: Quinta-feira, 1 Setembro de 2011 as 11:59

Para pedestres, presença da CET e de orientadores melhorou atitude dos motoristas (Foto: Juliana Cardilli/G1)

  Pedestres que costumam circular em áreas da cidade de São Paulo que passaram a fazer parte do Programa de Proteção ao Pedestre da Prefeitura nesta quinta-feira (1º) relataram ter percebido um respeito maior dos motoristas para sua travessia, mas apontam a presença de agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) como motivo da mudança. No Largo da Concórdia, região do Brás, Centro da cidade, mímicos e orientadores de travessia também atuavam – inibindo também os pedestres de agirem de maneira perigosa no trânsito.  

  A campanha foi iniciada em maio em pontos do Centro da Avenida Paulista, e em agosto os motoristas começaram a ser multados quando desrespeitavam os pedestres nestas regiões. A partir desta quinta, o programa foi ampliado para outros pontos da cidade, principalmente em áreas com grande circulação de pessoas a pé e na periferia.

No Largo da Concórdia, que fica em uma região de comércio popular da cidade, pedestres contaram que nesta manhã ficou mais fácil atravessar. “Os motoristas estão respeitando mais. Normalmente é mais difícil de atravessar, os carros passam correndo, no sinal vermelho. Hoje está mais organizado”, afirmou a monitora Lucia Maria da Silva Morais, de 50 anos.

O carregador Marcos Fontes, de 43 anos, notou que os pedestres também estavam mais atentos. “Acho que eles ficam com vergonha de fazer algo errado com esse monte de gente vendo, reprovando. O pessoal está atravessando mais na faixa hoje, esperando o sinal fechar para os carros”, afirmou. “Normalmente é difícil para todo mundo, para carros e pedestres, porque ninguém se respeita. Hoje está melhor. Tomara que continue assim, mesmo depois que não tiver mais a orientação”, disse a vendedora Carmem Oliveira Silva.

Mímicos ajudam pedestres na hora de atravessar na faixa (Foto: Juliana Cardilli/G1)

  Novas áreas

Oito novas áreas e seis corredores passaram a contar com o programa nesta quinta. Segundo a CET, os novos locais escolhidos são considerados polos irradiadores e também foram identificados como áreas que possuem cruzamentos com alto índice de atropelamentos: Largo 13 de Maio; Brás; Penha; Vila Maria; Jardim Paulista; Sapopemba; Itaquera; na região de São Miguel; e também nos corredores Campo Limpo/Rebouças/Centro; Parelheiros/Rio Bonito/Santo Amaro; Itapecerica/João Dias/Centro; Paes de Barros; Armando de Arruda Pereira e Mateo Bei.

Segundo agentes da CET que estavam trabalhando na região, por enquanto está sendo feita apenas a orientação dos motoristas quanto ao respeito aos pedestres. Segundo a companhia, as multas começarão a ser aplicadas em 19 de setembro, com o auxílio de 240 câmeras monitoradas por cinco centrais.

Entretanto, a presença dos agentes já surtiu efeito para pelo menos deixar os motoristas mais atentos. “Vendo esse monte de CET a gente tende a parar antes da faixa, para no sinal amarelo, para evitar tomar multa. Tem que ter mesmo a conscientização para termos menos acidentes”, disse o motorista Carlos Eduardo Rodrigues.

Faixas foram colocadas na Rua da Consolação

(Foto: Juliana Cardilli/G1)

  Rua da Consolação

Outro ponto da cidade que passou a ser atingido pelo programa foi o corredor CampoLimpo/Rebouças/Consolação, principalmente, segundo a CET, nas regiões do Butantã, na Zona Oeste, e da Rua da Consolação, na região central. Diversas faixas com orientações para os motoristas estavam espalhadas na via nesta manhã, e um agente da CET monitorava as travessias no cruzamento com a Rua Maria Antônia.

“Vejo que com essa campanha os carros têm parado menos sobre as faixas, mas o pessoal ainda não dá seta quando quer virar. Os problemas são grandes ainda, tem muito ônibus que não respeita, e ainda reclama quando temos que atravessar pelo meio dos carros, na frente deles, porque estão parados na faixa”, afirmou a estudante Maria Clara Moraes.            

veja também