MENU

Perícia no carro de advogada morta começa nesta segunda-feira

Perícia no carro de advogada morta começa nesta segunda-feira

Atualizado: Segunda-feira, 14 Junho de 2010 as 10:13

Começa nesta segunda-feira (14) a perícia no carro da advogada Mércia Nakashima, encontrada morta na manhã de sexta-feira (11). Segundo a polícia, ela teria ficado num cativeiro antes de ser morta e mais de uma pessoa estaria envolvida no crime.

As provas que podem ajudar a polícia a identificar o assassino podem estar no carro dela. O veículo foi localizado em uma represa em Nazaré Paulista, interior do estado, a quatro metros de profundidade, na quinta-feira (10).

A perícia vai tentar encontrar impressões digitais e outros vestígios dos criminosos. O trabalho só pode ser feito com o veículo seco. “Procuramos substâncias químicas, materiais biológicos como pelo, enfim, o que tiver dentro do carro”, disse o perito criminal Renato Pattoli.

  A família se despediu da advogada no sábado (12) de manhã, no cemitério São João Batista, em Guarulhos, na Grande São Paulo. Muitos amigos e parentes compareceram ao enterro, marcado pela dor e revolta.

Para a polícia, o ex namorado de Mércia é o principal suspeito do crime. Mizael Bispo de Souza é policial aposentado, advogado e foi sócio de Mércia num escritório de advocacia. O namoro deles terminou no ano passado.

    “É o principal suspeito, número um, mas mais pessoas poderiam estar com ele. Tentamos identificar autores, mandantes e outras pessoas envolvidas”, disse o delegado Antonio de Olim, que investiga o caso.

Apreensão

No mesmo dia em que o corpo foi localizado, a polícia foi à casa do advogado com um mandado de busca e apreensão para conseguir provas. Mizael não estava e quem abriu a porta foi um vizinho.

Investigadores e peritos saíram com dois pares de sapato, uma camisa rasgada nas costas, uma jaqueta e outros objetos. A perícia vai analisar amostras de terra encontradas no tapete do carro do suspeito, nos sapatos que foram apreendidos e na pia do banheiro da casa dele.

O rastreador do carro de Mizael mostrou que, quando Mércia desapareceu, ele estava perto do local onde ela foi vista pela última vez. Ele nega qualquer envolvimento no crime.

Peritos acreditam que, quando o veículo foi levado para a represa, a advogada estava dentro dele, desacordada. O assassino teria agido com a ajuda de pelo menos mais uma pessoa, que veio com outro carro para que eles pudessem deixar rapidamente a erma região onde fica a represa.

Com base nos primeiros depoimentos, a polícia suspeita que Mércia tenha ficado durante uma semana em um cativeiro.

A polícia pediu quatro laudos ao Instituto Medico Legal para descobrir a causa da morte. O corpo de Mércia apresenta um ferimento no queixo. A polícia quer saber se ela foi ferida no carro ou agredida. As análises devem ficar prontas em 30 dias.  

veja também