MENU

Pesquisa vai mostrar redução da criminalidade em áreas que receberam o Pronasci

Pesquisa vai mostrar redução da criminalidade em áreas que receberam o Pronasci

Atualizado: Quarta-feira, 15 Julho de 2009 as 12

Ao assinar ontem, 14 de julho, convênio de adesão de mais 11 municípios ao Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), o ministro da Justiça, Tarso Genro, anunciou que uma pesquisa realizada pela Fundação Getulio Vargas, a ser divulgada em breve, mostrará a eficácia das ações do Pronasci no combate à criminalidade em regiões violentas.

"A fundação já nos passou dados preliminares e os resultados são altamente positivos. Melhorou a sensação de segurança das comunidades e houve redução das taxas de criminalidade", afirmou Tarso. "No bairro de Santo Amaro, em Recife, onde o Pronasci já está sendo aplicado há um ano aproximadamente, tivemos uma queda de 74% da criminalidade na região", exemplificou.

O ministro também citou a experiência do município de Canoas, no Rio Grande do Sul , onde houve queda de 50% no número de homicídios na cidade nos últimos 60 dias, após a instalação de gabinete integrado de segurança.

As novas cidades contempladas pelo programa são Passo Fundo, Vacaria e Bagé (RS), Uberaba (MG), Pinhais (PR), Caruaru e São Lourenço da Mata (PE), Nossa Senhora do Socorro (SE), Aparecida de Goiânia (GO) e Jundiaí e Rio Claro (SP). O Pronasci estará presente agora em um total de 108 municípios, espalhados em 20 estados e no Distrito Federal.

"Estamos já em uma terceira fase do Pronasci, avançando em outros territórios para que as políticas preventivas surtam efeito a médio prazo, e depois entrem as políticas policiais propriamente ditas, sobretudo de policiamento comunitário", explicou Tarso.

Entre os dias 17 e 24 de julho estará aberto prazo para o cadastramento e envio de propostas ao Pronasci. Após a análise técnica, novos municípios poderão ser contemplados, mas não muitos. "Será uma escolha residual, pois nossos recursos já foram até além das nossas possibilidades", ressalvou Tarso.

veja também