MENU

PF deflagra Operação Cama de Gato e fecha central clandestina de TV a cabo

PF deflagra Operação Cama de Gato e fecha central clandestina de TV a cabo

Atualizado: Sexta-feira, 6 Agosto de 2010 as 10:11

A Polícia Federal (PF) fechou hoje (5) uma central clandestina de TV a cabo em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, e prendeu 12 integrantes de uma quadrilha especializada em furto e retransmissão de sinal. Na operação, foram identificadas modalidades que operam com sinal de internet e furtos de energia elétrica. Os lucros da quadrilha ainda não foram estimados. A Operação Cama de Gato reprime, em 11 municípios, a maioria na Baixada, quadrilhas especializadas na prática conhecida como "gatonet". A atividade de distribuição de sinal só pode ser desenvolvida com regulamentação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Segundo o delegado do Setor de Inteligência da PF, Bruno Queiroz, que comandou a operação, as quadrilhas tentavam disfarçar o crime abrindo empresas de fachada com atividade descrita como “melhoramento de sinal”. Essas empresas serviam como base para a atividade ilícita e, por isso, muitas vezes os usuários não sabiam que se tratava de um crime.

“As cobranças eram feitas por boleto bancário, depósitos em conta ou por intermédio de um cobrador que visitava a residência dos assinantes. Mas, para ter uma noção dos lucros, basta ver que as empresas dominavam o serviço em todo o município de Barra do Piraí, Itaguaí e em grande parte de Nilópolis”, esclareceu Queiroz.

Algumas das empresas compartilhavam a mesma central ilegal de distribuição do sinal, instalada em áreas de difícil acesso, que o delegado classificou como “centrais de baixo custo de instalação e grande mobilidade, já que mudavam de ponto todos os meses, e difíceis de serem encontradas”. Ele afirmou ainda que “qualquer pessoa recém-saída de uma escola técnica consegue montar o sistema”.

Na ação, que envolveu a participação de 160 agentes, foram presos três policiais militares e um policial civil acusados de participação ativa como sócios das empresas. Dos 14 mandados de prisão, dois não foram cumpridos já que os indiciados estão foragidos. Os 31 mandados de busca e apreensão foram cumpridos e, a partir deles, a PF encontrou receptores, moduladores de sinal, conectores e cabos. O delegado afirmou que além dos equipamentos apreendidos, os agentes encontraram munição e armas não registradas e com numeração raspada.

Além de responderem por porte ilegal de armas, formação de quadrilha e estelionato, os envolvidos no esquema também vão responder por crime contra as telecomunicações e furto de energia por conta da instalação de amplificadores de sinal em pontos da rede pública de eletricidade.

De acordo com a PF, as investigações foram resultado de prisões efetuadas há cerca de um ano em Volta Redonda, no Vale do Paraíba. A Operação Cama de Gato é uma continuação da Operação Gato de Botas.

veja também