MENU

PF recebe inquérito que investiga Jaqueline Roriz

PF recebe inquérito que investiga Jaqueline Roriz

Atualizado: Terça-feira, 22 Março de 2011 as 8:07

A Corregedoria da Polícia Federal recebeu do Supremo Tribunal Federal (STF) o inquérito que investiga a deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF). Enviado ao órgão pelo ministro Joaquim Barbosa na última sexta (18), o processo prevê a realização de perícia no vídeo em que a deputada aparece, ao lado do marido, Manoel Neto, recebendo dinheiro de Durval Barbosa, pivô do escândalo que ficou conhecido como mensalão do DEM de Brasília (veja vídeo ao lado).

A deputada pediu licença de cinco dias das atividades na Câmara e até esta segunda não apareceu no Congresso nem falou sobre o caso. A assessoria de Jaqueline Roriz informou nesta segunda que a deputada está em São Paulo, onde acompanha a cirurgia do pai, Joaquim Roriz, que foi submetido a um cateterismo.

Além de periciar o vídeo, divulgado no dia 4 de março, a PF deve tomar o depoimento de Jaqueline Roriz em data ainda a ser marcada. Por gozar de prerrogativa de foro, a deputada do PMN poderá escolher a data e o local do interrogatório.

O pedido para que a PF realizasse a perícia nas imagens e tomasse o depoimento de Jaqueline foi elaborado pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e faz parte do pedido de abertura de inquérito que foi enviado ao STF no dia 10 de março.

No dia seguinte ao do pedido de abertura de inquérito, a defesa da deputada protocolou no Supremo um pedido para obter cópia periciada do vídeo no qual ela aparece recebendo um pacote de dinheiro de Barbosa.

Em nota divulgada na última segunda-feira (14), Jaqueline Roriz alegou que os recursos recebidos do delator do esquema de corrupção teriam custeado sua campanha para deputada distrital, em 2006, e não teriam sido registrados na prestação de contas entregue à Justiça Eleitoral.

Investigações na Câmara

Jaqueline Roriz foi notificada nesta segunda-feira (21), por meio do "Diário Oficial da União", a apresentar defesa em cinco dias úteis à Câmara, no processo que investiga o recebimento de dinheiro de Barbosa. A intimação saiu na publicação porque a parlamentar não foi encontrada por três vezes pela Corregedoria da Câmara.

A deputada também deve ser investigada pelo Conselho de Ética da Câmara. Na primeira reunião do ano, no dia 16 de março, o conselho recebeu representação para investigar a possível quebra de decoro parlamentar praticada por Roriz.

O presidente do órgão, José Carlos Araújo (PDT-BA), deve escolher nesta semana o relator do caso. A partir de então, o Conselho terá 90 dias para analisar o processo.

O deputado baiano contou que Jaqueline Roriz telefonou para ele após a instalação do Conselho de Ética. "Foi meia-hora depois de terminar a reunião em que fui eleito presidente do conselho. Queria saber o que deveria fazer. Eu disse a ela: ‘Contrate um bom advogado’. Era o que eu poderia aconselhar nessa hora. Foi o melhor conselho que eu poderia dar”, relatou Araújo.

Por Robson Bonin

veja também