MENU

Placas danificadas atrapalham o trânsito em SP

Placas danificadas atrapalham o trânsito em SP

Atualizado: Quinta-feira, 1 Dezembro de 2011 as 12:59

Postes danificados dificultam a identificação visual dos motoristas (Foto: Fabiano Correia/ G1) Responsáveis por orientar o tráfego de veículos nas ruas, as placas de trânsito devem estar em perfeito estado de conservação para não atrapalhar os motoristas pelas vias movimentadas da capital paulista. Contudo, o G1 registrou, nesta segunda-feira (28), vários pontos da cidade com placas entortadas, ilegíveis e postes inclinados. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), responsável pela manutenção da sinalização de trânsito da cidade, cerca de 1200 placas são trocadas todos os meses. O corredor Norte-Sul, um dos mais importantes e movimentados de São Paulo, é também um dos mais problemáticos. Na Avenida Moreira Guimarães, altura da Passarela Valentim dos Santos Diniz, por exemplo, uma das placas estava totalmente virada para fora da via nesta terça-feira (29), o que dificultava a sua leitura pelos motoristas. A frentista Gislene Bittencourt, de 23 anos, funcionária do posto de combustível que fica ao lado da placa entortada, disse que a sinalização se encontrava dessa maneira há mais ou menos dois meses. "Foi na última chuva forte que deu. A CET veio ver essa e uma outra placa faz duas semanas, mas ainda não voltou para consertar".

Ao lado do Aeroporto de Congonhas, na Avenida dos Bandeirantes, a placa que indicava a localização da Rodovia dos Bandeirantes e dos bairros da Saúde e Jabaquara estava voltada para um muro. O motorista que seguia pela via tinha a visibilidade restrita às iniciais das palavras.

De acordo com a CET, as placas com problemas são identificadas com fiscalização feita por agentes e denúncias de moradores. A troca ou a manutenção delas é realizada a partir de um planejamento que "leva em conta necessidades operacionais e de segurança", informou.

Na Avenida 23 de Maio, a placa que indicava a saída para a Praça César Augusto Forti estava tombada. Já na Avenida Rubem Berta, outro poste inclinado. Neste, a placa que indicava o nome da via estava completamente fora de posição. A Secretaria de Subprefeituras de São Paulo é a responsável pela manutenção da sinalização com os nomes das ruas. O órgão assumiu esta responsabilidade no final de agosto deste ano.

Placa apagada na Zona Sul de São Paulo (Foto:

Fabiano Correia/ G1) Pedestres

Assim como os condutores, os pedestres também são prejudicados pelas placas danificadas. Na Avenida Santo Amaro, uma placa que indicava o embarque de ônibus e a travessia de pedestres estava totalmente apagada.

"Nunca mexeram nessas placas. Faz uns seis anos que estou aqui e eu nunca vi nada", afirmou Sydney Magalhães, vendedor de uma loja de carros que fica ao lado das duas placas.

Na Avenida Marquês de São Vicente, Zona Oeste de São Paulo, na região do Fórum Trabalhista Ruy Barbosa, uma placa da Oficina Boracéa também estava virada. Na Avenida Morumbi, próximo ao Palácio dos Bandeirantes, Zona Sul da capital paulista, outra sinalização torcida. A Avenida Tiradentes, no Centro da cidade, também tinha uma placa com a orientação alterada.

Prejuízo

Cerca de 1.200 são trocadas todos os meses. No entanto, segundo a CET, não há uma estimativa exata de quanto é gasto com a manutenção destas sinalizações. As placas que não podem ser reaproveitadas são encaminhadas para o Departamento de Materiais da Prefeitura de São Paulo, onde são leiloadas como sucata.

O pedido de troca de uma placa de rua deve ser feito pelo telefone 156 ou pelo site da secretaria de subprefeituras. Para que uma placa de sinalização seja trocada, o munícipe deve ligar para a CET no telefone 188.        

veja também