MENU

PM de Mogi das Cruzes tem novo comandante após sumiço de jovem

PM de Mogi das Cruzes tem novo comandante após sumiço de jovem

Atualizado: Quarta-feira, 30 Março de 2011 as 9:02

O major José Francisco Braga assumiu o comando da Polícia Militar de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo. O anúncio foi feito nesta terça-feira (29). O tenente-coronel Paulo Roberto Madureira Sales foi afastado por conta de irregularidades nos procedimentos adotados com Alan Patrick Soares, de 17 anos, que está desaparecido há duas semanas, desde que foi abordado por policiais.

O capitão Alcides Dias Correia também assumiu o comando do 17º Batalhão, no lugar do capitão Eduardo Rangel, que também afastado devido ao mesmo incidente. Outros quatro PMs foram presos porque são suspeitos de terem atirado no adolescente. Sales e Rangel não foram localizados para falar sobre o afastamento.

O garoto alvo da ação foi perseguido após a suspeita de ter participado do roubo de uma moto em Suzano, também na região metropolitana. Após ser detido pela PM, ele foi levado para um matagal. Tiros foram ouvidos e o rapaz não foi mais encontrado.

Investigação

A Polícia Civil de Suzano, na Grande São Paulo, investiga o desaparecimento de Alan Patrick. De acordo com denúncia feita pelo pai do jovem e testemunhas, o adolescente foi visto pela última vez guiando uma moto e sendo perseguido e abordado por policiais militares da Força Tática na cidade. Quatro pessoas que prestaram depoimento relataram ter ouvidos disparos perto de um túnel.

No local foi encontrado sangue e três cartuchos de balas pertencentes a pistolas 40, de uso da Polícia Militar. O delegado Jorge Luiz Neves Esteves, do Distrito Central de Suzano, afirmou que policiais militares são os principais suspeitos, até o momento, pelo desaparecimento de Patrick.

“Há indícios veementes da participação deles no sumiço do rapaz”, disse. Segundo o delegado, foi achada substância hematóide dentro do carro dos policiais. Um carpete do veículo chamou a atenção da Corregedoria porque foi lavado recentemente. Peritos da Polícia Técnico Científica de São Paulo colheram amostras do sangue perto do túnel, onde Patrick foi visto pela última vez, e da substância que estava no carro dos policiais militares. Todo esse material (do túnel e do carro) será submetido a exame de DNA comparativo com o sangue colhido da mãe da vítima.

“O resultado da comparação genética irá determinar se o sangue achado perto do túnel e no carro da PM são mesmo de Alan. Se isso ficar comprovado, teremos mais indícios da participação dos policiais militares no sumiço do jovem”, afirmou o delegado. "Mas adianto que não é raro achar sangue em carros da PM. Isso porque é comum policiais militares também ajudarem vítimas de acidente de trânsito e levarem essas pessoas ao hospital antes do socorro da ambulância."

O resultado do exame de DNA deve ser conhecido dentro de 30 dias. Também será realizado exame de balística nos cartuchos recolhidos pela perícia, e que estavam perto do túnel, para saber se eles pertencem às armas apreendidas que estavam com os quatro policiais militares.      

veja também