MENU

PM prende dois suspeitos de desviar doações da Região Serrana do RJ

PM prende dois suspeitos de desviar doações da Região Serrana do RJ

Atualizado: Terça-feira, 18 Janeiro de 2011 as 8:20

Dois homens foram presos em flagrante na noite desta segunda-feira (17) sob suspeita de desviar um caminhão carregado com doações para as vítimas das chuvas na Região Serrana do Rio de Janeiro . As  informações foram confirmadas pela Polícia Militar. Segundo a PM, um adolescente, que também estava no veículo, foi detido. Não houve confrontos.

O caminhão foi encontrado por volta das 20h, na Estrada do Magarça, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. De acordo com o relações públicas da PM, coronel Lima Castro, o veículo foi oferecido pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) para transportar os donativos arrecadados pela Polícia Militar, em parceria com a ONG Viva Rio.

Ainda segundo a PM, dois policiais à paisana passavam pela região, quando desconfiaram do caminhão. Durante abordagem, o motorista afirmou aos policiais que tinha ordens de pegar as doações no 6º BPM (Tijuca) e depois levá-las para o 12º BPM (Niterói), que é a central de arrecadação. No entanto, ele não soube explicar por que estava em Campo Grande.

"Os suspeitos terão que explicar o desvio da rota. Na caçamba havia uma grande quantidade de doações. Desde a tragédia, a PM atua para ajudar os desabrigados, e até hoje já mandamos cerca de 700 toneladas de donativos para a Região Serrana”, disse o coronel Lima Castro.

O caminhão com os donativos e os suspeitos foram levados para a 35ª DP (Campo Grande), onde o caso foi registrado. A polícia ainda investiga o caso. De acordo com o coronel Lima Castro, todos os caminhões usados para o transporte dos donativos são fiscalizados e monitorados pela Polícia Militar. Em alguns casos, os veículos são escoltados.

O G1 tentou entrar em contato com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), mas ninguém foi encontrado para comentar o caso.

Ação conjunta

Em parceria com a ONG Viva Rio, a Polícia Militar realiza uma campanha de arrecadação de doações para as vítimas das chuvas que atingira a Região Serrana na semana passada. O coronel Lima Castro contou que a corporação faz um levantamento com a Viva Rio antes de enviar os donativos. Os caminhões são oferecidos por voluntários para fazer o transporte.

De acordo com ele, mais de 70 caminhões carregados de doações já foram enviados para a Região Serrana. Ele pede para que a população continue ajudando a polícia a arrecadar os mantimentos para as famílias de desabrigados. Ele afirmou que todos os veículos são monitorados. Se o caminhão não chegar ao seu destino, segundo ele, a PM ficará logo sabendo.

“Infelizmente esse foi um caso isolado. Pedimos à população que não deixe de ajudar as vítimas das chuvas na Região Serrana. Todos os responsáveis serão punidos. Tudo o que fizemos até agora tem sido com sucesso. Nós temos um controle rígido, desde a saída até o destino. Toda a corporação acompanha, monitora os veículos. Pedimos à população que não desacredite, porque a nossa preocupação é ajudar”, completou o relações públicas da PM.

Número de mortos chega a 672

A tragédia causada pelas chuvas na Região Serrana já causou 672 mortos desde terça-feira (11). Pelos últimos levantamentos dos municípios, são 318 mortos em Nova Friburgo, 274 em Teresópolis, 58 em Petrópolis, 20 em Sumidouro e 2 em São José do Vale do Rio Preto.

Em Teresópolis, a prefeitura procura 177 desaparecidos. Em Petrópolis, há 26 desaparecidos, segundo a prefeitura. Em Sumidouro, há outros cinco. Já em Nova Friburgo, a prefeitura informou que não há levantamento sobre desaparecidos. O número de desabrigados e desalojados na região passa de 15 mil.

Já a Secretaria estadual de Saúde e Defesa Civil informa que são 665 mortos no estado, sendo 312 em Nova Friburgo, 276 em Teresópolis, 58 em Petrópolis (incluindo corpos encontrados em São José do Vale do Rio Preto) e 19 em Sumidouro.

As duas mortes de São José do Vale do Rio Preto foram confirmadas pela prefeitura de Petrópolis, para onde foram transferidos os corpos e feita a identificação por familiares. A Prefeitura de São José do Vale do Rio Preto informou nesta segunda-feira que ainda não tem registros de mortes de moradores da cidade. De acordo com a assessoria do município, os 6 corpos  encontrados na cidade são de moradores de outras cidades e chegaram até lá pela correnteza do Rio Preto.

veja também