MENU

PM registra cem furtos na Paulista nos três primeiros meses de 2011

PM registra cem furtos na Paulista nos três primeiros meses de 2011

Atualizado: Quarta-feira, 13 Abril de 2011 as 8:10

A Polícia Militar de São Paulo registrou cem casos de furto na Avenida Paulista entre janeiro e março deste ano. O número é mais que o dobro do registrado no mesmo período do ano passado – no primeiro trimestre de 2010, foram 47 furtos na região. O ataque a facadas ocorrido nesta segunda-feira (11) em frente ao Parque Trianon deixou muitas pessoas ainda mais preocupadas com a segurança na região.

O policiamento na avenida é feito por homens a pé, de carro, de moto e em bases. O ataque feito por um morador de rua a duas pessoas. Mas pode ser considerado um fato isolado. “É humanamente impossível prever a ação de uma pessoa que naquele momento estava com debilidade mental”, diz o major Félix, coordenador do 7º Batalhão da PM.

Um dos feridos continua internado no hospital. O cozinheiro Antônio Inácio, de 44 anos, levou seis facadas. Ele passou por cirurgia e chegou a ficar na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas. Nesta terça, foi transferido para o quarto e tem quadro estável.     “Ele está ótimo. Graças a Deus, está fora de perigo. Ele disse que não reagiu. Simplesmente, o cara chegou e falou que ia matar porque estava com vontade de matar”, diz Beth Inácio, cunhada de Antônio. Ele foi atingido no tórax e no baço.

A outra vítima, a auxiliar de cozinha Lina Ferreira, teve alta no mesmo dia do ataque. Ela se assustou tanto com o ataque que pensou que estivesse acontecendo um massacre. “Na hora que ele enfiou a faca em mim, eu pensei que fosse um massacre e rodei por trás do poste. Foi quando eu tirei com a mão”, conta Lina.

As vítimas trabalham em restaurantes vizinhos, na Rua Peixoto Gomide. Os comerciantes e as pessoas que trabalham na rua dizem que o homem que atacou os dois no ponto de ônibus circula pela região. Eles relataram que o homem bebia muito, mas nunca tinha apresentado um comportamento agressivo. Uma hora antes do ataque, o homem esteve na lanchonete onde Antônio trabalha.

A polícia investiga o motivo do ataque e pedirá um laudo de sanidade mental do agressor, que foi preso em flagrante e responderá por tentativa de homicídio.      

veja também