MENU

PMDB filia Skaf, prepara Chalita e usa SP como exemplo da disputa com PT

PMDB filia Skaf, prepara Chalita e usa SP como exemplo da disputa com PT

Atualizado: Quinta-feira, 12 Maio de 2011 as 8:38

BRASÍLIA - O PMDB deu nesta quarta-feira, 11, em Brasília, a largada oficial à montagem dos palanques municipais para disputar, com o PT, as prefeituras de capitais, cidades estratégicas e pequenos municípios Brasil afora. Foi mirando este objetivo que as principais lideranças nacionais do partido prestigiaram a cerimônia de filiação do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, anunciando que ele ingressa na legenda para fortalecer o projeto da candidatura do deputado Gabriel Chalita para prefeito de São Paulo em 2012.

O vice-presidente da República, Michel Temer, bem que tentou dissipar o clima antecipado de disputa entre os principais aliados no loteamento da Esplanada. "Tudo o que faremos nas eleições municipais e estaduais será levando em conta esta aliança indestrutível", discursou sob aplausos gerais. Em seguida, no entanto, o presidente nacional do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), explicava a uma pequena roda que o projeto eleitoral do PMDB independe da aliança nacional, como mostrou o Estado no último sábado. "Nosso objetivo é fortalecer o partido, lançando candidatos no maior número possível de cidades."

Na semana passada, Skaf reuniu-se com a cúpula do PMDB na residência oficial do vice-presidente. Foi quando ficou acertado que ele pode esperar 2014, porque tem mais quatro anos à frente da Fiesp. "O PMDB é muito grande, tem muitas oportunidades e todos querem colaborar. Skaf é um nome que pode ser preparado para disputar o governo do Estado", resumiu Temer.

Depois dos aplausos do discurso, ele explicou em conversas reservadas que parceria não significa abrir mão de lançar candidatos, mas sim de acertar com o PT como será esta convivência em tempos de campanha eleitoral. E confirmou que Raupp está trabalhando muito para que o PMDB possa manter o status de maior partido em número de prefeitos (1.200) e vereadores (4.600).

veja também