MENU

Poeira de obras e poluição do trânsito pioram qualidade do ar em SP

Poeira de obras e poluição do trânsito pioram qualidade do ar em SP

Atualizado: Quarta-feira, 20 Abril de 2011 as 1:36

A qualidade do ar de São Paulo pode piorar quando grandes obras estão sendo feitas na cidade. A poeira se mistura à poluição dos veículos, podendo agravar doenças respiratórias. Um teste diferente, com um lenço, foi feito em dois locais que passaram por manutenções nos meses mais secos do ano de 2010: a obra da Linha 4-Amarela do Metrô, no Largo do Batata, Zona Oeste, e a do Trecho Sul do Rodoanel.

Em Parelheiros, no extremo da Zona Sul da capital, os comerciantes foram os que mais sofreram com as obras do Rodoanel. Em um salão de beleza, o cabeleireiro Renato Araújo precisava revezar entre corte e limpeza. “É um pouco poluído. Os carros que passam aqui saem derramando um pouco de pó e acabam invadindo o salão.”

O ar na região é medido pela Cetesb. Na época de obras, o índice chegou a 57 mg/m³ de partículas que a população respira. Se uma pessoa ficar exposta a essa quantidade de poeira fina em um dia, pode ter problemas de saúde, já que o índice máximo pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em um dia é de apenas 25 mg/m³.

Já quem precisava passar pela Zona Oeste nos meses de obra, sofria. A circulação de veículos e a construção da nova estação de metrô aumentaram o pó, a poeira e a poluição. “De meia em meia hora, assim que tenho um tempinho, paro de atender os clientes para limpar, lavar. A poeira aqui ta demais”, conta a comerciante, Simone Maria Silva.

Com um lenço é possível medir o quanto de poluição que o nosso corpo absorve. O vendedor ambulante John Guido Cardamone de Oliveira aceitou fazer o teste e passou o lenço branco no rosto. O resultado: ele ficou preto. O outro venderor ambulante, Luiz Roque do Nascimento, também fez o teste e a cor foi a mesma. “Eu trabalho das 7h às 18h. Ficar trabalhando e tomando esse ar da uma doença no pulmão.”

Aparecida Maria dos Santos Lima trabalha em uma banquinha há mais de dez anos, de segunda a sábado, das 5h às 17h. “Se meu rosto está assim [preto], imagina meu pulmão? Fica difícil.”      

veja também