MENU

Polícia abre inquérito para investigar desabamento em obra em SP

Polícia abre inquérito para investigar desabamento em obra em SP

Atualizado: Quinta-feira, 30 Junho de 2011 as 4:25

A Polícia Civil instaurou um inquérito na tarde desta quinta-feira (30) para apurar as responsabilidades criminais dos proprietários do imóvel na obra que desabou nesta manhã na Avenida Lins de Vasconcelos, na região central de São Paulo, matando um operário. Segundo Archimedes Cassão Veras Júnior, da Delegacia de Acidentes de Trabalho de São Paulo, nenhum responsável pela obra havia se apresentado à polícia até as 15h.

A equipe de investigação trabalhava para identificar e localizar os donos do imóvel no horário. Quatro pessoas já tinham sido ouvidas. Ainda de acordo com o delegado, os proprietários vão responder por homicídio culposo e por lesões corporais, já que dois bombeiros também ficaram feridos no momento do resgate. O fato de o operário morto ser menor de idade também deve ser levado em conta.

  Archimedes Cassão Veras Júnior também ressaltou os problemas em relação à irregularidade da obra. “Ao que tudo indica, o local estava sem acompanhamento de engenheiro ou arquiteto”, disse. Ele afirmou que os operários, que foram contratados diretamente pelos donos do imóvel, também estavam em situação irregular. “Eles estavam todos irregulares. Não consta carteira de trabalho. Havia, inclusive, falta de equipamento. As irregularidades são inúmeras”, disse. O imóvel era para fins comerciais.

Desabamento

O comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Luiz Humberto Navarro, disse que um grupo de operários estava trabalhando na obra quando houve um primeiro desabamento. Apenas um não conseguiu sair. Quando dois bombeiros foram fazer o resgate do operário, a parte da frente da obra desabou também e os atingiu.

Desabamento na Avenida Lins de Vasconcelos

nesta manhã (Foto: Caroline Hasselmann/G1)

  O corpo do operário Paulo Henrique Francisco dos Santos, de 16 anos, foi localizado no início da tarde desta quinta e encaminhado ao necrotério do Hospital Cruz Azul, da Polícia Militar. Os bombeiros foram socorridos para o Hospital da Polícia Militar e para o Hospital das Clínicas, ainda segundo a corporação.

Um dos operários sobreviventes, Athos Francisco, era irmão da vítima. Segundo ele, o acidente foi muito rápido. “Caiu de uma vez, ninguém viu”, contou.

Navarro afirmou que o Corpo de Bombeiros vai montar uma operação na obra para deixar o local seguro durante a tarde desta quinta. Segundo ele, apenas o proprietário do imóvel pode aprovar a demolição do sobrado. Um homem que se identificou como advogado dos responsáveis pela obra não quis falar com os jornalistas que aguardavam no local do acidente.        

veja também