MENU

Polícia continua buscas por corpo de menino Juan na Baixada Fluminense

Polícia continua buscas por corpo de menino Juan na Baixada Fluminense

Atualizado: Sexta-feira, 1 Julho de 2011 as 4:12

A polícia continua nesta sexta-feira (1º) as buscas pelo corpo do menino Juan, de 11 anos, que sumiu após uma troca de tiros entre traficantes e policiais na comunidade Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, no dia 20 de junho. A informação foi confirmada pela assessoria da Polícia Militar.

No início da tarde, o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, afirmou que, caso policiais militares do 20º BPM (Mesquita) ou algum servidor público estejam envolvidos no desaparecimento de Juan, eles serão punidos .

“O meu compromisso é de que nós precisamos dar uma resposta à sociedade e deixar aqui muito claro que se, por ventura, houver a participação de um servidor público, será exemplarmente punido, como nós viemos fazendo até agora”, disse Beltrame.

Na opinião do secretário, não houve demora para o início das investigações da Polícia Civil sobre o caso. “Nós entendemos que a demora que está existindo é exatamente no resultado da produção daquilo que se fez. Inicialmente trabalhou-se com a possibilidade de um auto de resistência. Posteriormente veio a questão do desaparecimento, aí a Delegacia de Homicídios entrou no caso. Agora, os procedimentos todos foram feitos, as perícias foram feitas, os depoimentos dos policiais imediatamente foram colhidos”, explicou.

O secretário informou ainda que Wanderson de Assis, de 19 anos, que foi baleado durante a operação na comunidade Danon está sendo protegido pela Coordenadoria de Recursos Especiais (Core).

Polícia continua buscas pelo corpo do menino Juan na Baixada Fluminense (Foto: Aluizio Freire/G1)

  Corpo achado é de menina

Na quinta-feira (30), peritos do Instituto Médico Legal (IML) concluíram que o corpo de uma criança encontrado na localidade Rio Botas, no bairro de Recantos, em Belford Roxo, na Baixada, é de uma menina . A informação foi divulgada pela assessoria de imprensa da Polícia Civil.

A chefe de Polícia Civil do Rio, delegada Martha Rocha, determinou que sejam realizados exames de DNA, papiloscopia, da arcada dentária, antropológico, entre outros, para identificar a identidade da criança morta.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, Martha Rocha orientou que a Divisão de Homicídios da Capital e a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense realizem investigações para descobrir se existe registro do desaparecimento de uma criança do sexo feminino que corresponda às características do corpo encontrado.

Buscas na quinta-feira

Na tarde de quinta-feira, policiais do 20º BPM (Mesquita) receberam novas roupas que foram usadas por Juan recentemente e as buscas foram retomadas na mata da Serra de Madureira, nos fundos da comunidade Danon. As primeiras peças, recebidas ainda na quarta-feira, estavam lavadas e passadas, o que dificultou o trabalho de busca com cães farejadores .

Durante as buscas na comunidade Danon, os policiais receberam uma denúncia de que o corpo do menino estaria em outra localidade, conhecida como Arraiá. Os militares seguiram para lá, com a Companhia de Cães, mas interromperam a operação quando começou escurecer.

Polícia encontra barraco revirado durante buscas

pelo corpo do menino Juan na Baixada Fluminense

(Foto: Aluizio Freire/G1)

  No início da tarde, já na comunidade Danon, as equipes entraram em uma casa que teria sido usada por um dos integrantes da quadrilha dos traficantes. “Aqui funcionava como pousada de um olheiro que repassava a carga de drogas para venda na região aqui de Nova Iguaçu. Era uma espécie de posto avançado do tráfico", disse um policial do Serviço Reservado do batalhão. “Estamos à procura dele também. Certamente sabe de tudo o que aconteceu”, completou.

Programa de Proteção

Também na quinta, a Secretaria de estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH) informou que a família de Juan entrou para o Programa de Proteção à Criança e ao Adolescente Ameaçado de Morte.

O irmão de Juan, Wesley, de 14 anos, que foi ferido durante a operação policial, recebeu alta durante a manhã. Ele estava internado no Hospital Adão Pereira Nunes, em Saracuruna.     Disque-Denúncia lança cartaz

Para conseguir pistas sobre o menino, o Disque-Denúncia lançou na quarta-feira (29) um cartaz com uma foto de Juan. A central já recebeu algumas ligações e a expectativa é de que com a divulgação desse cartaz, o número de denúncias aumente. Quem tiver informações sobre o paradeiro do menino pode ligar para o número (21) 2253-1177. O anonimato é garantido.        

veja também