MENU

Polícia deve ouvir no sábado dono de lanchonete que explodiu no Rio

Polícia deve ouvir no sábado dono de lanchonete que explodiu no Rio

Atualizado: Sexta-feira, 14 Outubro de 2011 as 11:59

O dono da lanchonete Filé Carioca, que explodiu no Centro do Rio na manhã de quinta-feira (13), matando três pessoas e ferindo 17, deve ser ouvido no sábado (15) pelo delegado Antônio Ferreira Bonfim Filho, da 5ª DP (Mem de Sá). Ele foi internado no Hospital Quinta D'Or, em São Cristóvão, na Zona Norte, em estado de choque logo após a explosão , mas já teve alta. Até a noite de quinta, outras quatro vítimas permaneciam internadas, sendo três em estado grave.

Procurado pelo G1 nesta sexta-feira (14), o advogado do proprietário, Bruno Castro da Rocha, informou que seu cliente está muito abalado após a explosão e ainda não tem condições de ir à delegacia. "Possivelmente não será hoje. Ele ainda está abalado. Não é interessante que (o depoimento) seja hoje", disse. 

Vazamento de gás

Para o delegado responsável pela investigação foi comprovada a existência de vazamento de gás . Bonfim baseou sua conclusão no depoimento das 12 testemunhas já ouvidas sobre o caso.

“Nós já fizemos contato e estamos esperando as declarações do dono. O vazamento já está comprovado devido às informações das testemunhas. Todas as pessoas que contribuíram com a situação vão ser responsabilizadas”, disse o delegado disse na quinta (13).

Segundo explicou, se o dono tinha consciência do vazamento de gás e não tomou qualquer medida pode vir a responder até por homicídio por dolo eventual.

"Mas só as investigações vão chegar objetivamente a responsabilizar alguém. Ele pode responder por uma série de outros crimes, mas vamos primeiro verificar o que temos e o que leva à responsabilidade da pessoa dele”.

Depoimentos

As testemunhas ouvidas pela polícia afirmaram que havia forte cheiro de gás no interior da lanchonete. Segundo o jornaleiro Jorge Luis Rosa Leal, o funcionário que morreu no local disse a ele que o  cheiro de gás estava “insuportável” .

O sushiman, identificado como Josimar, outro que morreu no local, também afirmou ao jornaleiro que o gás estaria vazando desde terça-feira (11).

Jorge contou ainda que o chef de cozinha, Severino Antônio, perguntou se ele tinha o telefone do dono da lanchonete, pois precisava avisar sobre o cheiro de gás. Ele também morreu na explosão.        

veja também