MENU

Polícia fecha fábricas de DVDs piratas que abasteciam camelódromos

Polícia fecha fábricas de DVDs piratas que abasteciam camelódromos

Atualizado: Quarta-feira, 20 Julho de 2011 as 4:42

Policiais da Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) fecharam, na tarde desta quarta-feira (20), duas fábricas de CDs e DVDs piratas, na Avenida Passos, no Centro do Rio. Segundo informações do delegado Alessandro Thiers, os locais abasteciam todo o camelódromo da Rua Uruguaiana, também no Centro.

De acordo com o delegado, no local foram apreendidos cerca de 80 gravadores de CDs e DVDs, oito impressoras e grande quantidade de produtos ilegais. As fábricas foram descobertas após investigação e denúncias anônimas. Duas pessoas que estavam no local foram presas.

Fábrica em Belford Roxo

DVDs piratas apreendidos em Belford Roxo

(Foto: Divulgação/DRCPIM)

  Na terça-feira (19), os agentes também descobriram uma fábrica de CDs e DVDs piratas em Barro Vermelho, no município de Belford Roxo, Baixada Fluminense.

No local os policiais prenderam um homem de 26 anos que, segundo o delegado Alessandro Thiers, era o responsável pela distribuição das mídias piratas nos mercados populares de Belford Roxo.

Pirataria na Uruguaiana

Também nesta terça-feira, a DRCPIM prendeu um homem de 25 anos e apreendeu dois menores que vendiam DVDs de filmes, shows e programas de computador piratas no Mercado Popular da Uruguaiana, no Centro do Rio. Eles tinham 614 mídias piratas escondidos em mochilas.

Já no bairro Jardim América, no subúrbio, os policiais prenderam em flagrante um homem de 24 anos, com 339 DVDs piratas de filmes e shows, em uma feira livre.

Delegado pede apoio

Segundo o delegado Thiers, os agentes realizaram essas operações a partir de denúncias anônimas que receberam por email e por telefone. Ele disse que as operações vão continuar e pediu o apoio da população para informar locais de fabricação e depósito de produtos piratas.

O delegado ressaltou ainda que quem compra produtos piratas também está cometendo crime de receptação, com penas de reclusão de um a quatro anos.

“A pirataria é um fenômeno universal e apenas com o comprometimento dos órgãos públicos e da iniciativa privada, aliado à mobilização da sociedade, poderemos realizar um combate efetivo à pirataria em nosso estado, visando, desde já, principalmente, a efetiva proteção das marcas na Copa do Mundo de 2014 e nas Olimpíadas de 2016”, disse o delegado Thiers.

O delegado disse ainda que a pirataria afugenta investimentos de multinacionais ligadas à área de tecnologia, diminui postos de trabalhos oficiais, faz o Estado perder na arrecadação de tributos, aumenta e financia a criminalidade, e não dá aos produtos qualidade, durabilidade, segurança à saúde do consumidor e garantia.

Na segunda-feira (18), policiais da mesma delegacia apreenderam mais de nove mil DVDs piratas em Madureira, subúrbio do Rio, e, no Centro, prenderam três ambulantes vendendo mídias e brinquedos piratas.          

veja também