MENU

Polícia identifica dois suspeitos de assalto a hotel

Polícia identifica dois suspeitos de assalto a hotel

Atualizado: Segunda-feira, 25 Julho de 2011 as 4:53

Armas foram roubadas no fim de junho e início de

julho de lojas de armamento

(Foto: Thamine Leta/G1)

  A polícia divulgou nesta segunda-feira (25) que já identificou dois suspeitos de participar do assalto ao hotel de luxo em Santa Teresa, no Centro do Rio, há uma semana. A delegada Renata Teixeira, responsável pelo caso, afirmou em coletiva que um dos homens é ex-funcionário do estabelecimento. Segundo ela, ambos estão agora foragidos da polícia, pois já tiveram mandados de prisão expedidos. Um deles já teria passagem pela polícia.

O Hotel Santa Teresa foi invadido por pelo menos quatro homens durante a madrugada. Segundo a polícia, 15 hóspedes foram roubados na ocasião e os criminosos conseguiram fugir.

A delegada informou que, dos quatro homens que invadiram o hotel, apenas dois foram identificados. Durante as investigações, a polícia descobriu que os dois participaram de dois assaltos em lojas de armamentos. "Eles assaltaram no fim de junho uma loja de armas no Centro do Rio, e no começo de julho um estabelecimento também de armamentos em Saquarema. Por isso estavam fortemente armados", explicou a delegada. A polícia não sabe informar quantas armas foram utilizadas pelos criminosos no assalto ao hotel.

Segundo a delegada, a polícia encontrou armamentos na casa de um dos suspeitos, que também fica em Saquarema, na Região dos Lagos. Na residência do outro suspeito, no Morro do Santo Amaro, no Catete, a polícia achou uma arma chamada balestra.

"Por ele ser ex-funcionário do hotel certamente tinha informações privilegiadas e se valeu disso", disse Renata. Segundo a polícia, ele trabalhou por seis meses no estabelecimento e deixou o emprego um mês antes do assalto.

Beltrame fala sobre insegurança no bairro

Na quinta-feira  (21), o secretário estadual de Segurança, José Mariano Beltrame, comentou sobre os recentes episódios de violência ocorridos em Santa Teresa, no Centro do Rio. "UPP não é solução, há muito ainda a ser feito. Eu venho dizendo isso há tempos", disse o secretário. No local, há uma Unidade de Polícia Pacificadora que abrange os morros da Coroa, Fallet e Fogueteiro, desde fevereiro.

O secretário falou ainda que episódios pontuais de violência "são previsíveis e acontecem como em qualquer outra capital. E a polícia continua se empenhando em combatê-los".

Em relação ao assalto ao hotel de luxo na segunda-feira (18) em Santa Teresa, o secretário afirmou que a ação foi muito bem planejada, com informações precisas e que, provavelmente, nem um policiamento ostensivo conseguiria coibir.

Reestruturação

Ainda na quinta, a Secretaria de Segurança anunciou uma reestruturação dos batalhões que atuam na região central do Rio, onde fica o bairro de Santa Teresa, que nesta semana registrou uma série de crimes.

De acordo com a assessoria da Secretaria de Segurança, o 1º BPM (Estácio) foi incorporado ao 5º BPM (Praça da Harmonia), juntamente com o 13º BPM (Praça Tiradentes), e os efetivos estão sendo reavaliados para remanejamento do policiamento. No 5º BPM assume o coronel Amaury Simões, que era do 33º BPM (Angra dos Reis). Com a extinção do 1º BPM, o comandante do batalhão, coronel Ranulfo Souza Brandão Filho, vai para o 24º BPM.

Segundo a Secretaria, com base nas “manchas criminais – setores de maior incidência criminal” – o policiamento da 7ª CISP (Santa Teresa) ganhou mais viaturas, e terá “um policial em cada carro do bonde de Santa Teresa”, além de “dois homens em um carro elétrico”.

  Além disso, “será criada uma Companhia de Policiamento Destacado no antigo hotel Quarto Centenário, que foi cedido pela Prefeitura ao Governo do Estado.

De acordo com o comandante da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), coronel Robson Rodrigues, as mudanças já estavam planejadas antes da série de crimes cometidas na área . "Isso faz parte do planejamento da corporação e não tem a ver diretamente com os casos ocorridos nesta semana. Cerca de 600 policiais atuam no patrulhamento das nove comunidades que ficam no entorno de Santa Teresa, sendo que o bairro agora passa a contar com um efetivo de 150 a 200 policiais", afirmou o coronel.          

veja também