MENU

Polícia investiga se morte de irmão de secretário de Jandira foi crime político

Polícia investiga se morte de irmão de secretário de Jandira foi crime político

Atualizado: Segunda-feira, 30 Maio de 2011 as 4:14

Letícia Macedo Do G1 SP

imprimir A Polícia Civil informou nesta segunda-feira (30) que tem três linhas de investigação para o assassinato de Jairo Lemes de Aquino, ocorrido na noite deste domingo (29), em Jandira, na Grande São Paulo. Jairo, de 39 anos, é policial militar e estava afastado de suas funções. Ele é irmão de Wanderley Lemes de Aquino, ex-secretário de Habitação do município, apontado com um dos mandantes do assassinato do prefeito Braz Paschoalin, em dezembro de 2010. Entre as hipóteses levantadas pela polícia para morte do policial estão: crime político, envolvimento no crime organizado ou crime passional, de acordo Zacarias Tadros, titular da delegacia de Jandira.     “Desde o início, ele foi investigado, como irmão, relativo ao envolvimento com a morte do prefeito [Braz Paschoalin]. Como sabíamos que ele era uma pessoa que tinha uma conduta violenta e com ligação com crime organizado, naturalmente, nós monitoramos”, afirmou Tadros. Oito pessoas foram presas, suspeitas de envolvimento com o homicídio do prefeito. Cinco permanecem presos, entre eles Wanderley de Aquino, irmão de Jairo.

O delegado afirmou ter indícios de que Jairo tem envolvimento com o crime organizado. “Temos alguns elementos que serão encaminhados para o pessoal [da delegacia] de Homicídios”, declarou.

A polícia investiga se uma pistola Taurus 380 com a numeração raspada pertencia ao PM. Ela foi encontrada no local onde Jairo foi morto. “Vai ser apurado através da perícia, porque um PM com uma arma de numeração raspada já é um indicativo de comprometimento com o crime”, disse o delegado.

Passional

Como o PM foi atingido quando saía da casa de uma mulher com quem mantinha uma relação extraconjungal, a polícia não descarta ainda a possibilidade de crime passional. Ele foi atingido por quatro disparos - dois no peito e um na perna esquerda.

Jairo Lemes Aquino, que estava afastado de suas funções, também estava sendo investigado por envolvimento com a morte, em 2001, do vereador de Jandira Márcio Soares de Almeida. De acordo com o delegado, quando houve a morte de Braz foi determinada a reabertura de todos os casos em que políticos da cidade acabaram sendo vítimas de homicídios. Wanderley de Aquino, na época, era suplente.

As investigações sobre a morte de Jairo foram encaminhadas ao Departamento Homicídios Proteção à Pessoa (DHPP).          

veja também