MENU

Polícia retira cão e gatos de casa de suspeita de matar animais em SP

Polícia retira cão e gatos da casa de suspeita de matar pets

Atualizado: Sexta-feira, 13 Janeiro de 2012 as 3:35

Oito gatos e um cachorro foram retirados pela Polícia Civil por volta das 12h30 desta sexta-feira (13) da casa de Dalva Lina da Silva, de 42 anos, suspeita de matar mais de 30 animais e abandonar seus corpos na calçada de uma rua da Vila Mariana, Zona Sul de São Paulo. Os animais estavam vivos e aparentemente em boas condições de saúde. Eles foram levados pelos policiais para o Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC). Lá, serão feitas as formalidades para que os gatos possam ficar sob a responsabilidade da ONG Adote um Gatinho.

Segundo integrantes da ONG, os animais irão inicialmente para um abrigo do grupo, mas ainda nesta sexta serão levados para casas de voluntários, com quem ficarão provisoriamente. Integrantes da ONG e policiais militares passaram toda a madrugada e manhã desta sexta em frente à casa aguardando a permissão para retirar os animais. Apenas após a chegada da Polícia Civil e do advogado de Dalva a retirada foi feita.
A mulher foi detida na noite desta quinta-feira (12) depois que um grupo de protetores de animais contratou um detetive particular para investigá-la. Segundo o advogado Rodrigo Carneiro, da ONG Adote um Gatinho, pessoas da área desconfiavam há anos da mulher, que recebia diversos animais de rua. “Só no ano passado temos uma estimativa de que ela recebeu 150 animais. Sabemos que cuidar de animais de rua é caro, e esses animais desapareciam. Ficamos desconfiados e resolvemos investigar”, disse ele nesta manhã.

Na noite de quinta, o detetive viu a mulher colocando pacotes na calçada de uma casa próxima no Cambuci, Zona Sul. Ao verificar os pacotes, verificou que se tratava de corpos de animais. Ele contatou os protetores, que chamaram a Polícia Militar. No boletim de ocorrência, consta que 33 corpos de animais foram encontrados – entretanto, em contagem nesta manhã, foram encontrados 39 – quatro cães e 35 gatos. Os corpos foram encaminhados para um laboratório particular contratado pelos protetores de animais, onde será feito o laudo com as causas das mortes.


Dentro do imóvel, além dos animais vivos retirados no início desta tarde, foram encontradas caixas de anestésicos e de cloreto de potássio – usado para sacrificar os animais. Segundo a Polícia Civil, a mulher foi liberada porque o caso é considerado de menor potencial ofensivo. À polícia, Dalva Lina da Silva, de 42 anos, assumiu a responsabilidade por apenas cinco animais – ela afirmou os recebeu doentes e tentou tratá-los. Como não obteve sucesso, aplicou anestésico para que eles morressem sem dor.


O caso foi encaminhado para o DPPC. Na delegacia, a mulher afirmou que há 13 anos resolveu, por conta própria, cuidar de animais de rua. Ela também disse que um abrigo de Diadema, no ABC, encaminhava animais doentes para que ela cuidasse. “Ela disse que tentava conduzir os animais para ONGs, e era negado”, disse o delegado Wilson Correia Silva, da divisão de crimes contra o Meio Ambiente. “Ela admitiu que levou cinco animais a óbito, que segundo ela não estavam respondendo ao tratamento. Ela decidiu sacrificá-los, a aplicava anestésico. Os demais ela disse não saber como morreram, afirmou que não estavam sob seu cuidado.”

O delegado informou que será instaurado um inquérito para investigar o caso e que irá requisitar as imagens que o investigador particular afirmou ter das ações da suspeita. Os protetores de animais que contrataram o detetive também serão ouvidos.


O advogado da suspeita, Martim Lopes Martinez, confirmou a versão dada por ela à polícia. “Segundo ela, ela recebe cães e gatos doentes, de rua, e tenta tratá-los. Os que não conseguem sobreviver ela dá uma anestesia para que eles não sofram. Ela disse que ligava para várias instituições pedindo ajuda, mas isso era sempre negado”, afirmou o defensor. De acordo com ele, Dalva é viúva vive na casa com as filhas de 22 e 5 anos, e não trabalha – ela vive de uma pensão deixada pelo marido.


Investigações
Vizinhos da suspeita e o investigador contratado pelos protetores relataram que os animais apenas chegavam à casa, e não deixavam o imóvel – o que causava desconfiança. Vizinhos também relataram ter ouvido ruídos de animais chorando na noite de quarta-feira (11). Eles também afirmaram que os animais que viram chegar ao imóvel estavam bem de saúde, e não doentes como a suspeita alega.
Segundo a veterinária Beatriz Mattes, da ONG, a maioria dos animais mortos eram filhotes, com idade entre 1 e 2 meses. Os corpos serão encaminhados necrópsia. Segundo ela, um dos animais mortos tinha marca de injeção no coração. Beatriz suspeita que Dalva tenha injetado cloreto de potássio - o produto foi encontrado pela polícia dentro da casa da mulher.
Ainda segundo a veterinária, os corpos foram encontrados com “aparência estranha”. “Todos estavam em posições que definharam, encolhidos, todos defecados. Nunca vi uma cena tão feia em toda a minha vida”.


veja também