MENU

Polícia vê ação do tráfico em aumento de mortes no litoral de SP

Polícia vê ação do tráfico em aumento de mortes no litoral de SP

Atualizado: Quarta-feira, 28 Abril de 2010 as 12

A principal hipótese da polícia para a motivação de 17 homicídios na Baixada Santista, na semana passada, é a disputa entre traficantes de drogas que atuam na região.

Em grande parte desses crimes, a forma de agir foi similar - motoqueiros se aproximaram da vítima e dispararam vários tiros. Em outras, dizem testemunhas, os homens estavam em carros de cor escura - o que reforça a possibilidade de ação de dois grupos. Por enquanto, ninguém foi preso.

No mesmo período, entre 18 e 25 de abril, a região registrou outros seis homicídios, que, segundo a polícia, não estão relacionados a essa onda de violência - são frutos de crime passional, briga de trânsito etc.

A segurança na baixada, dizem os investigadores, já se normalizou. Ainda assim, 200 homens da tropa de choque reforçarão o policiamento na região. Segundo a Polícia Militar, a tropa irá atuar em pontos de bloqueio, revista pessoal e na saturação de policiamento.

Medo

Na terça-feira, dia 20, com rumores de que criminosos haviam anunciado toque de recolher, comerciantes do Guarujá fecharam as portas mais cedo.

No dia 23, um órgão do Departamento de Defesa dos EUA que é referência para agências de viagem anunciou em comunicado que norte-americanos deveriam evitar viagens a Santos, Guarujá, São Vicente e Praia Grande.

Para o delegado assistente da Seccional de Polícia de Santos, Antônio Sérgio Messias, o comunicado emitido pelos EUA é fruto da atenção redobrada do país com questões de segurança após os atentados terroristas de 2001. "A situação não é um caos. A polícia está agindo."

Entre moradores do Guarujá ouvidos pela Folha - todos pediram para não ter seus nomes publicados -, os que se dizem mais preocupados são os do distrito de Vicente de Carvalho, onde houve as seis mortes na cidade. Os de outros lugares, como a praia de Pitangueira, se diziam tranquilos.

A série de assassinatos começou no dia 18 de abril, depois da morte de um policial militar. Na sequência, outras cinco pessoas morreram no mesmo bairro.

Em princípio, na investigação, a polícia cogitava retaliação pelo homicídio do policial. A hipótese de disputa entre gangues ganhou força depois.

Por: Afonso Benites

veja também