MENU

Prédio na Zona Sul de SP economiza R$ 5 mil por mês na conta de água

Prédio na Zona Sul de SP economiza R$ 5 mil por mês na conta de água

Atualizado: Quarta-feira, 25 Maio de 2011 as 1:44

  Todos os gastos do condomínio como água, luz, manutenção de elevadores e outros equipamentos e funcionários são refletidos na taxa de condomínio. Medidas simples podem gerar uma economia no valor e no bolso dos moradores. Economia nos edifícios é o tema do o quadro “Meu condomínio tem solução”, do SPTV, nesta quarta-feira (25).

Em um condomínio no Campo Belo, Zona Sul de São Paulo, para diminuir o valor da conta de água no fim do mês, o jeito foi contratar uma empresa e construir uma pequena estação de tratamento, que recebe toda a água que sai das máquinas de lavar e dos tanques dos 60 apartamentos. No reservatório essa água perde 90% da sujeira.

Uma medida interessante para quem usa com frequência a máquina de lavar, como a moradora Deise. Toda vez que o eletrodoméstico é ligado são gastos 240 litros de água. Por mês, são 7.200 litros. Uma piscina pequena cheia.

A água não serve para beber, mas também não deixa de ser reaproveitada. São duas horas de tratamento. A água de reuso, cerca de 10 mil litros todos os dias, serve para lavar a área comum do prédio, irrigar as plantas e é usada na descarga dos apartamentos.

A implantação do sistema custou R$ 40 mil há seis anos. “Com a diferença na conta de água. Antes era R$ 8 mil e passou para R$ 3 mil”, conta a síndica, Marizilda Gonçalves.

“Acho muito bom porque nós economizamos dinheiro e água. Com isso a gente usa esse dinheiro para outros benefícios do prédio”, completa a professora Helenir Ruivo. A economia refletiu na construção da churrasqueira e a sala da ginástica. Não houve rateio, tudo foi pago com o dinheiro que sobra no caixa.

Melhoria e economia andam juntas. As lâmpadas da área comum são desligadas depois das 22h. O próximo passo é individualizar a água. “A gente nunca pode parar. A próxima é a individualização da água. Cada um vai ter que arcar com o que gastar”, finaliza a síndica.          

veja também