MENU

Preso com lista de jurados de morte e da juíza vai a júri polular

Preso com lista de jurados de morte e da juíza vai a júri polular

Atualizado: Quarta-feira, 24 Agosto de 2011 as 9:56

O homem conhecido como "Gordinho", acusado de chefiar um grupo de extermínio e de participar do assassinato de um traficante, vai a júri popular no Rio. O crime ocorreu em setembro de 2010. A informação foi divulgada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), nesta terça-feira (23).

Segundo investigadores, ele foi preso em janeiro deste ano em Guarapari, no Espírito Santo e com ele, havia uma lista de 12 pessoas marcadas para morrer , incluindo a juíza Patrícia Acioli, assassinada no dia 12 de agosto, em Niterói.

A decisão foi do juiz Fábio Uchôa, em exercício no 4º Tribunal de Júri de São Gonçalo, na Região Metropolitana da cidade, que substituiu a magistrada assassinada. Ele também manteve a prisão preventiva do réu para assegurar a ordem pública. O grupo de extermínio do qual o acusado faria parte também tem participação de policiais militares, segundo o TJ-RJ.

"A prisão do réu igualmente apresenta-se conveniente à instrução criminal, pois diante da periculosidade do agente, não há dúvida de que as testemunhas que serão ouvidas na segunda fase do processo se sentirão mais seguras para prestarem declarações de forma isenta, sem temerem sofrer qualquer influência por parte do acusado, se o réu permanecer acautelado", disse o juiz.

Sequestro por R$ 15 mil

De acordo com a denúncia do Ministério Público estadual,  o acusado junto com um outro homem sequestraram o traficante para obter R$ 15 mil e armas. Durante o sequestro, os acusados provocaram na vítima lesões corporais de natureza grave através de tortura praticada com choques elétricos e espancamento com um machado.

Ainda segundo o MP, após a tortura, uma terceira pessoa efetuou disparos de arma de fogo contra o traficante, causando sua morte.  

veja também