MENU

Presos fazem 131 reféns há 18 horas em Aracaju

Presos fazem 131 reféns há 18 horas

Atualizado: Segunda-feira, 16 Abril de 2012 as 8:46

Mais de 150 policiais civis, militares e agentes penitenciários foram mobilizados desde o início da tarde do domingo (15), no Complexo Penitenciário Advogado Antonio Jacinto Filho (Compajaf) durante rebelião registrada na unidade penitenciária.

Cerca de 470 internos se rebelaram e tomaram as instalações do Compajaf, localizado no bairro Santa Maria, em Aracaju. Durante a madrugada, o clima continuou tenso e sem acordo. Neste momento, os rebelados ocupam as coberturas dos pavilhões tentando conversar com os familiares que estão pedindo o fim da rebelião.

Três agentes foram feitos reféns durante a rebelião, que aconteceu durante a visita de um dos pavilhões da unidade prisional. A ação rápida dos policiais e agentes do Departamento do Sistema Penitenciário do Estado de Sergipe (Desipe), e dos próprios agentes de disciplina da unidade, evitou que outros colaboradores fossem rendidos pelos presos.

A partir daí, um força-tarefa com a participação efetiva das polícias Civil e Militar iniciou a negociação para evitar desdobramentos durante a rebelião. Uma comissão composta pelo secretário de Justiça e de Defesa ao Consumidor, Benedito Figueiredo, o secretário de Segurança Púbica, João Eloy de Menezes, o juiz Hélio Mesquita e o promotor José Cláudio, ambos da Vara de Execuções Penais; além de representantes da PM e Defensoria Pública negociaram com os internos.

De acordo com o negociador de crise da Polícia Militar de Sergipe, capitão Marcos Carvalho, não houve avanços nas negociações porque as exigência não foram cedidas. Todos os 476 internos estão rebelados e os 128 visitantes continuam no interior do presídio, bem como três agentes que permanecem reféns.

Uma comissão formada por um grupo que está à frente da revolta, se reuniu com a cúpula de gerenciamento de crises da Secretaria da Segurança Pública, formada pelo capitão Marcos Carvalho, do Núcleo de Gerenciamento de Crises da Polícia Militar, o secretário da Justiça de Sergipe, Benedito Figueiredo e o promotor da 7ª vara criminal, Luiz Claudio Almeida Santos, desde a noite do domingo até a madrugada da segunda, mas nenhuma informação sobre a conversa foi divulgada . Apesar do encontro, o clima continua tenso no local e a rebelião segue.

Durante as negociações os presos revelaram que estavam cansados das sessões de tortura que ocorrem no interior do complexo. Eles informaram que iriam entregar uma lista com nomes dos envolvidos nos maus tratos.

Além disso, pediram que a direção do presídio fosse mudada e que houvesse mais respeito com as mulheres nos dias de visita.

Durante algumas horas os internos se utilizaram de materiais metálicos e madeira para destruir parte das instalações internas do presídio. Depois de terem tomado basicamente todas as áreas internas do Compajaf, os presos passaram suas principais exigências, que foram entregues ao capitão da Policia Militar, Marcos Carvalho, especializado em gerenciamento de crises.

Colaboradores e servidores da Secretaria de Estado da Justiça (Sejuc) passaram informações para parentes dos internos, que se reuniram na frente da unidade prisional para acompanhar o desfecho da rebelião.

veja também