MENU

Primeiro recurso a ser julgado pela Justiça será do goleiro Bruno

Primeiro recurso a ser julgado pela Justiça será do goleiro Bruno

Atualizado: Quarta-feira, 10 Agosto de 2011 as 3:21

Os advogados dos oito réus do caso Eliza Samudio chegaram no início da tarde desta quarta-feira (10), ao TJ-MG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais), em Belo Horizonte, para a sessão de julgamento que vai decidir se os envolvidos vão a júri popular. A audiência será reservada e não poderá ser acompanhada pela imprensa. O primeiro recurso a ser julgado será o do ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes.

O julgamento, que será dirigido pelos desembargadores Doorgal Andrada, Herbert Carneiro e Delmival de Almeida Campos, não terá a presença dos suspeitos.

Bruno Fernandes, Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, e Sérgio Rosa Sales, o Camelo, respondem por homicídio triplamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver. Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, responde por homicídio duplamente qualificado. Já Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, ex-mulher de Bruno, Wemerson Souza, o Coxinha, Elenilson Vítor da Silva e Fernanda Gomes Castro, também ex-amante de Bruno, respondem por sequestro e cárcere privado de Eliza. De acordo com a assessoria do TJ-MG, também será definido, a pedido do Ministério Público, se esses últimos quatro também devem responder por homicídio e ocultação de cadáver.

Em 2010, a Justiça definiu que os acusados deveriam ir a júri popular. Os advogados, porém, entraram com recurso e uma nova decisão será dada nesta quarta-feira.

Desaparecimento O desaparecimento de Eliza Samudio completou um ano em junho deste ano. No dia 4 de julho de 2010, Eliza fez um último contato por telefone com uma amiga. Apesar de a polícia ainda não ter encontrado o corpo dela, o delegado responsável pelo caso diz que as investigações concluem que ela está morta. O ex-goleiro do Flamengo é apontado como o mandante do crime. Quatro réus do caso estão presos: Bruno, Macarrão, Sérgio e Bola, que é ex-policial civil e seria acusado de outros crimes. Outros quatro acusados estão em liberdade: Dayanne, Fernanda, Elenilson e o Coxinha. Todos os envolvidos negam o crime.

Versão da polícia De acordo com a versão da polícia, Eliza e seu filho, na época do desaparecimento da mãe com quatro meses, foram sequestrados e levados para o sítio do goleiro Bruno em Esmeraldas, região metropolitana de Belo Horizonte (MG). Lá, os dois teriam sido mantidos reféns por alguns dias. A jovem teria sido espancada nesse período.

A polícia diz ainda que, no dia 7 de julho, Eliza foi levada para a casa do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, em Vespasiano. Lá, ela teria sido estrangulada até a morte e depois teve o corpo esquartejado. Parte dos restos mortais foram dados como comida para cachorros rottweilers do policial. Bola nega.        

veja também