MENU

Professores denunciam desperdício de 800 kg de frango na UnB

Professores denunciam desperdício de 800 kg de frango na UnB

Atualizado: Sexta-feira, 21 Outubro de 2011 as 2:51

A Associação dos Docentes da Universidade de Brasília denunciou o desperdício de cerca de 800 quilos de frango pelo Restaurante Universitário (RU) do campus Darcy Ribeiro. De acordo com a associação, o desperdício teria acontecido depois que os funcionários terceirizados do RU decidiram paralisar as atividades em protesto por atraso de pagamentos.

Vídeos feitos pelos funcionários da empresa Monte Sinai, responsável pela gestão do Restaurante Universitário, mostram a comida sendo preparada para ser jogada no lixo. Eles disponibilizaram as imagens na internet em sinal de protesto. O G1 entrou em contato com a Associação dos Docentes da UnB e aguarda retorno. De acordo com o coordenador do Sindicato dos Técnicos da UnB (Sintfub), Mauro Mendes, o alimento teria estragado no último dia 11, quando os 140 trabalhadores do restaurante paralisaram as atividades. “O frango descongelou neste dia. O problema aconteceu por falta de gestão no restaurante”, explicou.

Mendes ainda disse que os funcionários teriam sido orientados a tentar reaproveitar parte do alimento perdido para servir aos alunos. “Isso é lamentável. Tentaram aproveitar o frango e ainda obrigaram os trabalhadores a fazer uma coisa dessa”, contou o coordenador.

Para Mendes, a direção do restaurante não deveria ter orientado os funcionários a descongelar a comida com tantos problemas na gestão. Ele afirmou que a direção, ao tomar conhecimento de que não utilizaria o frango em tempo hábil, poderia ter decidido doar o alimento.

A decana de Assuntos Comunitários da UnB, Carolina Santos, informou que apenas 500 quilos de frango foram descartados por "prevenção". “O restaurante trabalha com planejamento, para ter tempo de resfriar o alimento. Com a paralisação, os frangos foram rearmazenados com um número pequeno de funcionários”, explicou.

Carolina ainda afirmou que o armazenamento não foi feito “nas condições necessárias”. Segundo a decana, as nutricionistas do restaurante verificaram que o alimento não tinha condições para ser servido aos consumidores. Ela explicou que não havia possibilidade de doar o alimento que já estaria estragado.

Sobre a falta de pagamento dos funcionários, Carolina Santos afirmou que até esta quinta-feira (20) três pessoas ainda não tinham recebido o salário de setembro. "Nós estamos mudando a forma de terceirização do restaurante até o próximo ano. A licitação para um novo modelo já foi aprovada e a empresa Monte Sinai não se encaixa neste perfil", explicou.

veja também