MENU

Promotor diz que foi canalhice de Nardoni acusar a polícia

Promotor diz que foi canalhice de Nardoni acusar a polícia

Atualizado: Sexta-feira, 26 Março de 2010 as 12

Promotor diz que foi canalhice de Nardoni acusar a polícia

O promotor Francisco Cembranelli afirmou, durante a argumentação do advogado de defesa de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá no julgamento do assassinato da menina Isabella Nardoni, que foi uma "canalhice" o réu ter dito, durante o interrogatório, que recebeu uma proposta na delegacia para assinar uma declaração de homicídio culposo. Cembranelli repetiu a palavra "canalhice" por cerca de 20 vezes.

"Seu colega Ricardo Martins (então advogado de defesa do casal) sabe que isso não aconteceu e hoje fugiu para não responder isso. Se fosse verdade eles poderiam ligar para a imprensa e desmoralizar todo mundo", afirmou o promotor. "Mas isso não aconteceu."

O advogado Roberto Podval sugeriu dúvidas em relação às provas mostradas pela promotoria. "Disseram para ele falar quanto tempo demora para subir de elevador. Ele fala cinco minutos", afirmou. "Depois fazem alguns cálculos, não fecha e chamam ele de mentiroso. Ora, por favor."

Podval disse que o Edifício London não tinha segurança, que as portas ficavam o tempo todo abertas e que um muro que limita o prédio para a construção que existia na época era baixo. "Isso foi publicado em um jornal importante, em um jornal sério", disse Podval, referindo-se à Folha de S.Paulo.

O advogado citou Chico Xavier para defender o casal e disse que "ninguém pode voltar atrás para fazer um novo começo, mas todos nós podemos fazer um novo final".

O advogado criticou Ana Carolina Oliveira, dizendo que enquanto Anna Jatobá cuidava da filha Isabella, a "outra" estava trabalhando. "Depois vem aqui chamar ela de assassina", disse. O advogado admitiu, porém, brigas entre o casal. "Eles brigavam em sua vida familiar. Mas respeito a vida deles", afirmou.

Depois de um intervalo de 30 minutos começam as réplicas de no máximo duas horas, com uma nova pausa de 30 minutos entre a acusação e a defesa. Logo após, está previsto um intervalo de uma hora para o jantar e, em seguida, o Conselho de Sentença (formado pelos sete jurados) se reunirá na Sala Secreta com o magistrado, promotor e advogados por mais uma hora para a votação dos quesitos. A sentença será elaborada em uma hora.

O caso

Isabella tinha 5 anos quando foi encontrada ferida no jardim do prédio onde moravam o pai, Alexandre Nardoni, e a madrasta, Anna Carolina Jatobá, na zona norte de São Paulo, em 29 de março de 2008. Segundo a polícia, ela foi agredida, asfixiada, jogada do sexto andar do edifício e morreu após socorro médico. O pai e a madrasta foram os únicos indiciados, mas sempre negaram as acusações e alegam que o crime foi cometido por uma terceira pessoa que invadiu o apartamento.

O júri popular do casal começou em 22 de março e deve durar cinco dias. Pelo crime de homicídio, a pena é de no mínimo 12 anos de prisão, mas a sentença pode passar dos 20 anos com as qualificadoras de homicídio por meio cruel, impossibilidade de defesa da vítima e tentativa de encobrir um crime com outro. Por ter cometido o homicídio contra a própria filha, Alexandre Nardoni pode ter pena superior à de Anna Carolina, caso os dois sejam condenados.

veja também