MENU

Promotor vai pedir acareação entre testemunhas em júri do caso Bruno

Promotor vai pedir acareação entre testemunhas em júri do caso Bruno

Atualizado: Terça-feira, 20 Novembro de 2012 as 9:33

 

Ricardo Galhardo

Segundo dia de julgamento deve começar por volta das 9h desta terça-feira em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. Primeiro dia foi desgastante e pouco produtivo

O promotor Henry Vasconcelos, responsável pela acusação no julgamento do goleiro Bruno Fernandes, disse que vai pedir nesta terça-feira uma acareação entre o ex-motorista Cleiton Gonçalves, que testemunhou no primeiro dia de julgamento, e o caseiro João Batista. O segundo dia de julgamento deve começar por volta das 9h com mais depoimentos das testemunhas de acusação.

Segundo o promotor, João Batista testemunhou o primeiro depoimento de Gonçalves à Polícia Civil, no qual disse ter ouvido da boca de Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro, que “Elisa já era”. Posteriormente, Gonçalves recuou dizendo que foi coagido pela polícia. Em seu depoimento nesta segunda-feira, ele confirmou ter ouvido a frase, mas disse que para ele não significava nada porque não sabia em qual contexto ela havia sido dita.

“Ele terá a chance de dar outro depoimento. Caso contrário a juíza (Marixa Rodrigues) pode pedir a instauração de inquérito para apurar falso testemunho, se achar que ele mentiu”, disse o promotor.

Embora tenha decidido pedir a acareação, Vasconcelos disse ter ficado satisfeito com o testemunho de Gonçalves. Segundo o promotor, o motorista confirmou que Bruno pretendia lavar o carro supostamente usado no sequestro de Elisa com óleo diesel para apagar possíveis provas do assassinato da modelo.

O promotor também comentou a estratégia usada pelos advogados de Marcos Aparecido Souza, o Bola, para desmembrar o julgamento. De acordo com Vasconcelos, o fato de os advogados de outros réus terem recuado da decisão de acompanhar a defesa de Bola e abandonar o julgamento desmontou o possível complô montado pelos advogados.

Dayanne na chegada ao fórum para o segundo dia de audiência

Foto: Carolina Garcia

Ingrid Oliveira chega ao fórum de Contagem para o segundo dia de julgamento

Foto: Carolina Garcia

1º dia de julgamento: Goleiro Bruno conversa com Rui Pimenta, um dos seus advogados. Ao lado de Bruno, sua ex-mulher,  Dayanne Rodrigues do Carmo

1º dia de julgamento: Goleiro Bruno conversa com Rui Pimenta, um dos seus advogados. Ao lado de Bruno, sua ex-mulher, Dayanne Rodrigues do Carmo

Foto: Vagner Antonio /TJMG

O goleiro Bruno e Dayanne durante a sessão do Júri, nesta segunda-feira

O goleiro Bruno e Dayanne durante a sessão do Júri, nesta segunda-feira

Foto: Vagner Antonio /TJMG

O promotor Henry Wagner e a juíza Marixa Rodrigues

O promotor Henry Wagner e a juíza Marixa Rodrigues

Foto: Pedro Vilela/Futura Press

Ingrid Oliveira, noiva de Bruno, na sala onde o ex-goleiro é julgado

Ingrid Oliveira, noiva de Bruno, na sala onde o ex-goleiro é julgado

Foto: Pedro Vilela/Futura Press

José Arteiro (terceiro da esquerda para a direita), advogado da família de Eliza Samudio

José Arteiro (terceiro da esquerda para a direita), advogado da família de Eliza Samudio

Foto: Pedro Vilela/Futura Press

Rui Pimenta, um dos representantes do ex-goleiro Bruno, antes do início da sessão do primeiro dia de julgamento

Rui Pimenta, um dos representantes do ex-goleiro Bruno, antes do início da sessão do primeiro dia de julgamento

Foto: Pedro Vilela/Futura Press

Juíza Marixa Rodrigues na sala onde Bruno, Bola, Macarrão, Dayanne Rodrigues e Fernanda Gomes são julgados

Juíza Marixa Rodrigues na sala onde Bruno, Bola, Macarrão, Dayanne Rodrigues e Fernanda Gomes são julgados

Foto: Pedro Vilela/Futura Press

Movimentação na sala onde os réus são julgados

Movimentação na sala onde os réus são julgados

Foto: Pedro Vilela/Futura Press

Sônia Moura, mãe de Eliza Samudio, acompanha o julgamento em Minas Gerais

Sônia Moura, mãe de Eliza Samudio, acompanha o julgamento em Minas Gerais

Foto: Flávio Tavares/Hoje em Dia/Futura Press

Manifestação de integrantes da União Brasileira de Mulheres (UNB) durante o 1° dia de julgamento no Fórum de Contagem (MG)

Manifestação de integrantes da União Brasileira de Mulheres (UNB) durante o 1° dia de julgamento no Fórum de Contagem (MG)

Foto: Alex de Jesus/O Tempo/Futura Press

Manifestantes colocam cruzes com nomes de mulheres assassinadas em frente ao fórum

Manifestantes colocam cruzes com nomes de mulheres assassinadas em frente ao fórum

Foto: Flávio Tavares/Hoje em Dia/Futura Press

Movimentação de policiais em frente ao fórum, onde é realizado o julgamento de Bruno e mais quatro réus

Movimentação de policiais em frente ao fórum, onde é realizado o julgamento de Bruno e mais quatro réus

Foto: Futura Press

Ércio Quaresma , advogado de defesa do Bola, na chegada ao fórum em Contagem (MG)

Ércio Quaresma , advogado de defesa do Bola, na chegada ao fórum em Contagem (MG)

Foto: Futura Press

Middian Kelly, filha de Bola, na chegada ao primeiro dia de julgamento

Middian Kelly, filha de Bola, na chegada ao primeiro dia de julgamento

Foto: Alex de Jesus/O Tempo/Futura Press

Ingrid Oliveira, noiva do ex-goleiro Bruno na chegada ao Fórum Criminal de Contagem, na Grande Belo Horizonte, em Minas Gerais

Ingrid Oliveira, noiva do ex-goleiro Bruno na chegada ao Fórum Criminal de Contagem, na Grande Belo Horizonte, em Minas Gerais

Foto: Futura Press

“A imprensa chegou a falar em um blocão da defesa. Pois hoje o blocão desmoronou. A defesa do Bola ficou completamente isolada. Os objetivos deles eram muito mais profundos do que o desmembramento”, disse o promotor, sugerindo uma possível estratégia para anular todo o julgamento.

Conforme Vasconcelos, com a saída de Bola o julgamento deve ser bem mais rápido do que as três semanas previstas inicialmente. “Acredito que acabe até o final da semana”, afirmou.

veja também