MENU

Propaganda via parabólica transmite estratégia tucana para popularizar Serra no Nordeste

Propaganda via parabólica transmite estratégia tucana para popularizar Serra no Nordeste

Atualizado: Segunda-feira, 1 Fevereiro de 2010 as 12

Assim que confirmar o nome tucano para concorrer à Presidência em outubro (possivelmente o governador de São Paulo, José Serra), uma das principais missões do PSDB será popularizar o candidato fora das regiões Sul e Sudeste. Os números indicam que a tarefa não será fácil, em especial no Nordeste.

Segundo pesquisa Datafolha realizada em dezembro de 2009, o Nordeste é a única região onde a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), está a frente de Serra na corrida presidencial: 31% x 28%. Outro dado da pesquisa aponta que o governador paulista é conhecido por 93% dos brasileiros, mas, no Nordeste, esse índice cai para 88% (menor índice do país).

Para "encurtar" a distância entre Serra e os eleitores do Nordeste, a popularização das antenas parabólicas se tornou um canal de comunicação relevante entre o governo paulista, comandando por Serra, e os eleitores da região.  É que algumas emissoras retransmitem não apenas os programas das emissoras "cabeças de rede" de São Paulo para o Nordeste, mas também os comerciais institucionais do governo estadual.

As parabólicas se tornaram um fenômeno no interior nordestino por conta da falta de emissoras locais. O sinal da parabólica chega a 22% dos domicílios nordestinos, atingindo cerca de 3,5 milhões de famílias. Os dados são do Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação, com dados de 2008.

Hoje, não é difícil ver um nordestino assistindo a programas e a comerciais que teoricamente deveriam passar apenas no Estado de São Paulo. Por tabela, em vez de as propagandas dos seus respectivos Estados, o nordestino vê o governo paulista tomar conta da grade da TV nos horários comerciais.

"Eu vejo sempre, mas nunca entendi porque passa comercial de lá aqui", contou a dona-de-casa Maria Gonçalves, 41, moradora da zona rural de Arcoverde, no Sertão de Pernambuco. Ao ser "lembrada" que Serra deverá ser candidato à Presidência, ela diz que "agora entende" as propagandas. "Acho então que ele está aproveitando. Passa muita propaganda que não é de nada aqui".

Já em Paripueira, litoral Norte de Alagoas, as propagandas são até comemoradas por alguns eleitores de Serra. A dona-de-casa Silvania Lima dos Santos, 38, não esconde sua admiração pelo governador de São Paulo. Ela e o marido, José Carlos Barros, 48, nunca viram o pré-candidato tucano pessoalmente, mas dizem o conhecer bem pela televisão, principalmente porque o número de inserções teria aumentado nos últimos meses, segundo eles. "A gente vê pela TV o trabalho dele, e é por isso que se ele for mesmo candidato, nosso voto é dele", diz a dona-de-casa.

Já o marido, que morou no Estado governado por Serra, diz que São Paulo "evoluiu muito" nos últimos anos. "As propagandas mostram que São Paulo está mudada, diferente do que vi há dez anos – quando fui para lá e voltei endividado. Serra olha para os pobres. Dá vontade até de voltar para tentar ganhar a vida lá", completa José Carlos, que está desempregado há três anos.

Em Boca da Mata, a 68 km de Maceió, as parabólicas tomam conta do cenário da cidade. A maioria das casas possui uma antena parabólica, e todos os moradores ouvidos pelo UOL Notícias afirmaram conhecer José Serra. Na maioria dos casos, ligam a imagem dele aos comerciais e programas paulistas que passam na TV.

"Tem muito comercial de lá. Quem não sabe que ele é candidato de novo?", questionou José Raimundo, 54, que confessa: votou em Serra em 2002, mas ajudou a reeleger Lula, nos dois turnos, em 2006.

Ele reclama da falta de opções para assistir programas alagoanos. "Eu queria mesmo era ver os programas daqui, mas não pega direito. Na última eleição, só assistimos aqui programas eleitorais lá de São Paulo. Nada do governo daqui", lamentou Raimundo, assegurando que a falta opções locais dificulta a escolha de candidatos estaduais.

Por: Carlos Madeiro

veja também