MENU

Protestos e aplausos marcam abertura da Semana Nacional da Mata Atlântica

Protestos e aplausos marcam abertura da Semana Nacional da Mata Atlântica

Atualizado: Quarta-feira, 19 Novembro de 2008 as 12

Protestos e aplausos marcam abertura da Semana Nacional da Mata Atlântica

O clima de protesto, embora pacífico e respeitoso, estava latente durante a  solenidade que abriu a Semana Nacional da Mata Atlântica, na segunda-feira, 17 de novembro, no Teatro Tom Jobim, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro.  "Lula,  Dilma e Minc aprovaram decreto para destruir as cavernas brasileiras",  estampavam os cartazes expostos no auditório, em referência ao polêmico Decreto nº 6640, de 7 de novembro de 2008.

Entre autoridades, como o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, e o presidente do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis,  Roberto Messias Franco, estava a representante da Rede de Ongs da Mata  Atlântica, Elizete Sherring Siqueira, que começou seu discurso com reivindicações e  reclamações pela falta de iniciativas mais enérgicas no combate ao  desmatamento da Mata Atlântica.

Enquanto isso, cerca de 50 representantes  aglomeraram-se na primeira fileira do teatro vestindo coletes de papel (em  clara alusão ao ministro Minc, adepto de coletes), onde se  liam reivindicações e palavras de ordem como "Fundo da Mata Atlântica Já" e  "Pela Reforma democrática e partidária do Conama (Conselho Nacional do Meio  Ambiente)".

Bem-humorado, Minc vestiu um dos coletes oferecido pela representante da  Rede de Ongs e foi aplaudido várias vezes ao anunciar avanços e iniciativas  futuras como a assinatura do Decreto da Mata Atlântica prevista para terça-feira, 18, e a criação da Reserva Extrativista de Caçurubá, Bahia, importante reserva de Mata Atlântica e uma das principais das redes de  ongs desse bioma.

"Parte do acordo que fizemos com o governador da Bahia, Jaques Wagner, é  incluir Caçurubá nos 44 planos de manejo lançados na semana passada. Estamos  aguardando ele voltar do exterior e a previsão é de que o decreto saia assim que ele voltar", informou Minc.

O ministro admitiu que as pressões são muitas por parte de setores do  governo federal, governos estaduais e de grandes empresas privadas, mas que a defesa e proteção da Mata Atlântica é prioridade do ministério do Meio  ambiente, que já está implementando uma séria de iniciativas de criação de  unidades de preservação e parcerias com pesquisadores e com governos  estaduais, como a criação da reserva de Caçurubá e a ampliação da Reserva  Pau Brasil, ambas na Bahia.

Postado por: Claudia Moraes

veja também