MENU

Psiquiatra alerta para riscos das drogas sintéticas

Psiquiatra alerta para riscos das drogas sintéticas

Atualizado: Quarta-feira, 16 Julho de 2008 as 12

O consumo de drogas sintéticas, como ecstasy e LSD, é cada vez mais comum entre os jovens de classe média alta do Estado do Rio de Janeiro. Produzidos a partir de substâncias químicas psicoativas, esses entorpecentes provocam alucinações no usuário ao estimular ou deprimir o sistema nervoso central.

De acordo com a diretora do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Atenção do Uso de Drogas da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), Maria Thereza de Aquino, o uso de drogas sintéticas cresce na medida em que aumentam o número de festas de música eletrônica. "Essas substâncias não combinam com uma vida ativa. É mais comum serem utilizadas em festas. O consumo de drogas sintéticas vem aumentando nos últimos cinco anos. Hoje atendo, em média, dois pacientes por semana usuários desse tipo de entorpecente", explica a psiquiatra.

A droga sintética mais consumida entre os dependentes químicos é o ecstasy. Os usuários mais comuns são homens de 20 a 40 anos de idade. Essas substâncias, que têm custo elevado, não são consumidas em comunidades carentes. "Muitos usuários são estudantes universitários que já ingressaram no mercado de trabalho. A maioria dos dependentes perde o emprego sistematicamente. Esses entorpecentes provocam desidratação e febre alta. É como se a pessoa tivesse uma gripe fortíssima de três dias. Por isso, dificilmente o usuário estaria preparado para trabalhar normalmente após ingerir essas drogas", afirma Maria Thereza, que também é consultora do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase).

Utilizadas em formas de comprimido, pó ou injeção, as drogas sintéticas têm efeito tão prejudiciais quanto a cocaína ou a maconha. O uso do ecstasy provoca hiperatividade e aumento da sensibilidade. Esses sintomas causam danos ao corpo e às percepções, como aumento da pressão sanguínea, desidratação severa, tremores e dificuldade de caminhar. A substância psicoativa danifica temporariamente ou permanentemente os neurônios do usuário e podem causar lesões celulares irreversíveis.

Para a psiquiatra da Uerj, Maria Thereza de Aquino, a prevenção para o consumo de entorpecentes ilícitos e lícitos deve começar cedo.  "As crianças precisam aprender e internalizar valores para preservar sua mente e seu corpo. Uma pessoa saudável e lúcida terá uma participação satisfatória na sociedade. Uma pessoa que consome drogas fatalmente abandonará seus projetos de vida", declara.

No Estado do Rio de Janeiro, o Núcleo de Estudos e Pesquisa em Atenção do Uso de Drogas da Uerj desenvolve há 22 anos atividades nas áreas de prevenção, pesquisa e tratamento do uso abusivo de substâncias psicoativas. O tratamento dos dependentes químicos é feito através de psicoterapia e medicamentos. O centro de convivência oferece também atividades extras como oficinas e debates.

O núcleo fica na Rua Fonseca Telles, n° 121, 4° andar, em São Cristóvão. Para obter mais informações sobre a instituição, os interessados podem entrar em contato através do telefone (21) 2589-3269. O departamento da Uerj atende dependentes químicos de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.

veja também