MENU

PT diz que solicitará à PF para apurar se dinheiro foi pedido para campanha

PT diz que solicitará à PF para apurar se dinheiro foi pedido para campanha

Atualizado: Sexta-feira, 17 Setembro de 2010 as 10:08

O presidente do PT, José Eduardo Dutra, anunciou na tarde desta quinta-feira (16) em Brasília (DF) que o partido vai pedir à Polícia Federal que investigue a acusação feita pelo empresário Rubnei Quícoli de que o dinheiro que teria sido supostamente pedido de propina para realizar um empréstimo no BNDES iria para a campanha de Dilma Rousseff (PT).

Em entrevista ao site do jornal "O Globo" , o empresário diz ter ouvido a informação do ex-diretor dos Correios Marco Antonio Oliveira. O ex-diretor não foi localizado pelo site. O G1 tentou contato com o ex-diretor dos Correios, mas ele não foi localizado.

A suposta propina a que se refere Quícoli seria uma "taxa de sucesso" cobrada pela empresa Capital, empresa tocada por filhos de Erenice Guerra, que deixou a Casa Civil nesta quinta-feira. Para Dutra, Quícoli e outras pessoas envolvidas no escândalo têm de ser ouvidas pelo órgão. Ele afirmou que há uma tentativa de "forjar" envolvimento do PT e da campanha de Dilma com o caso.

"Há uma clara tentativa de forjar um envolvimento do PT e da campanha. A ação é, particularmente, a partir de duas declarações de que a facilitação daquele financiamento do BNDES seria para arrecadar recursos campanha da Dilma. O PT estará solicitando abertura de inquérito diretor da PF apurar essa denúncia", afirmou o presidente do PT.

Segundo Dutra, quando da realização do suposto pedido ao empresário, a arrecadação de qualquer recursos só acontecia por meio dele ou do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.

Outros processos

Além da investigação da PF, Dutra anunciou duas ações contra o empresário. O PT vai realizar uma representação criminal na Justiça de São Paulo por crimes contra a honra pelas declarações. De acordo com o presidente, o PT também vai entrar com um pedido de indenização na Justiça Civil de Brasília.

Dutra procurou desvincular a decisão do governo pela saída de Erenice de qualquer intenção eleitoral. Segundo ele, a campanha não se envolve nesse tipo de assunto. Ele também não quis especular nenhum nome para o lugar de Erenice, que é substituida interinamente por Carlos Eduardo Esteves Lima.

veja também