PT vai analisar voto de deputados do partido contra mínimo de R$ 545

PT vai analisar voto de deputados do partido contra mínimo de R$ 545

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:55

A bancada do PT na Câmara dos Deputados se reúne na próxima semana para analisar a posição dos deputados Francisco Praciano (AM) e Eudes Xavier (CE), que votaram contra a proposta do governo de um salário de R$ 545, aprovada pela Câmara nesta quarta-feira (16). Prasiano e Xavier foram os únicos petistas a votar contra a proposta apresentada pelo governo.

O líder do PT na Câmara, Paulo Teixeira, disse nesta quinta-feira (17) que não falaria sobre punição aos dois parlamentares. Segundo ele, por não se tratar de um problema ético, o caso será tratado pela bancada do partido, não pelo Conselho de Ética do PT.

“Vamos analisar esse tema de forma cuidadosa. Nós tivemos uma grande vitória ontem [quarta-feira] e vamos refletir agora sobre a postura desses deputados. Não quero especular sobre que decisões serão tomadas. A bancada vai analisar”, disse o líder.

O ministro Luiz Sérgio, das Relações Institucionais, criticou a posição dos dois deputados. "Não é bom que haja dissidência por parte do partido da própria presidente", disse. Ele também não quis se referir a penalidades, mas afirmou que as bancadas de cada partido governista devem "debater" a infidelidade e fazer "os encaminhamentos necessários."

O projeto que determina o salário mínimo no valor de R$ 545 foi aprovado pela Câmara no final da  noite desta quarta-feira. Com a rejeição de duas emendas que previam reajustar o salário mínimo para R$ 560 (do DEM) e R$ 600 (do PSDB), a Câmara aprovou integralmente o projeto do governo.

A proposta será votada no Senado na próxima semana. Se forem feitas modificações, ela retorna para a Câmara. Caso contrário, será encaminhada para sanção da presidente Dilma Rousseff.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições