MENU

Queda de preço leva consumidores de MT a trocar a gasolina pelo etanol

Queda de preço leva consumidores de MT a trocar a gasolina pelo etanol

Atualizado: Sexta-feira, 10 Junho de 2011 as 11:20

A redução no preço do etanol hidratado fez com que os consumidores de Mato Grosso voltassem a preferir o combustível na hora de abastecer o veículo. Atualmente, nas revendedoras de Cuiabá e Várzea Grande, as vendas do combustível totalizam 70%, enquanto a comercialização da gasolina fica com o restante.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis de Mato Grosso (Sindipetróleo), Aldo Locateli, explica que há quatro meses, com o preço do litro do álcool acima dos R$ 2, os mato-grossenses não tinham outra opção se não abastecer com a gasolina, que custava na época cerca de R$ 2,87 o litro.

Com a redução média de 20% dos preços dos combustíveis, custando o álcool em torno de R$ 1,53 e a gasolina a R$ 2,71 o litro nos postos do estado, os consumidores de carros flex voltaram a optar pelo etanol. Na ponta do lápis, o preço cobrado pelo litro do álcool, que é considerado o mais barato do país, representa 43% do que seria gasto com a gasolina. Para Locateli, a preferência pelo combustível derivado da cana-de-açúcar provoca uma maior rotatividade no mercado.

Dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) levantados de janeiro a abril apontam que Mato Grosso comercializou 98 milhões de litros de etanol, contra 126 milhões de litros vendidos no mesmo período do ano passado, representando uma queda de 22%.

Por outro lado, o consumo de gasolina aumentou 22%, de 125,7 milhões de litros para 153,6 milhões de litros. Considerando o consumo total de combustíveis no Estado, que foi de 1 bilhão de litros, houve um ligeiro aumento de 1,4% se comparado ao volume comercializado em 2010, que chegou a 989,3 milhões de litros.

O diretor-executivo do Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras de Mato Grosso (Sindalcool/MT), Jorge dos Santos, também acredita que a partir de maio até o fechamento do ano a comercialização do álcool terá aumento enquanto a da gasolina apresentará redução.          

veja também