MENU

'Quero fazer as coisas que fazia', diz agredido por defender mendigo

Agredido por defender mendigo quer vida normal

Atualizado: Terça-feira, 7 Fevereiro de 2012 as 2:24

Recuperando-se num hospital de uma cirurgia em que colocou 63 pinos no rosto,em função do espacamento que sofreu na Ilha do Goverandor na madrugada de sexta-feira (3) por um grupo que agredia um morador de rua, Vitor Suarez Cunha, de 21 anos, conseguiu falar com dificuldade na manhã desta terça-feira (7). Ele, porém, não quis comentar as agressões que sofreu. Disse apenas que quer "voltar a fazer as coisas que fazia."

"Estou melhorando, mas tem todo esse processo ainda para eu me acostumar, com a cirurgia. Mas, em vista de tudo, estou ótimo. Quero voltar a fazer as coisas que eu fazia, poder comer o que eu comia, sair, ver televisão", disse o jovem que deixou o CTI do Hospital Santa Maria Madalena nesta manhã.

Segundo o  cirurgião Silvério Moraes, a previsão é que ele tenha alta nesta terça ou na quarta-feira (8). Segundo sua mãe, Regina Suarez, a noite de segunda (6) para terça (7) foi difícil, pois Vítor teve muitas dores e demonstrou sinais de ansiedade. 

"Ele não conseguiu dormir a noite toda. Mas só em saber que ele está se recuperando... Estou feliz", disse Regina.

O cirurgião confirmou que nesta manhã teve que administrar ansiolíticos para o jovem conseguir dormir. Já o cirurgião Leonardo Peral disse que em três semanas fará exames para saber se o movimento do olho direito foi afetado.

"Temos que aguardar de duas a três semanas para que o edema regrida, para que a gente possa ver a movimentação do globo ocular. Ele não tem risco de ficar cego, está neurologicamente perfeito e cooperativo", explicou o cirurgião.

Agressores são seis, diz amigo

O amigo de Vítor, Kleber Carlos Silva, que foi o primeiro a ir falar com o grupo para pedir que parassem de importunar o morador de rua, disse que os agressores são seis, e não cinco como indica a investigação policial.
Kleber explicou que um grupo de cinco rapazes, conhecidos na região, estava na praça agredindo o mendigo, que acabou atravessando a rua para se proteger. Mais tarde, segundo contou, é que teria chegado o sexto integrante do grupo, Rafael Zanini, que o teria segurado para impedir que ajudasse Vítor. 

"São conhecidos, o Tadeu estudou comigo e o Rafael morou no prédio em que morei, por isso foi fácil identificar na polícia", contou. Os dois jovens, Tadeu Assad Ferreira e Rafael Zanini, estão presos.

Enquanto falava com o grupo, Vítor chegou e começou uma discussão, disse Kleber. Ele explicou que Vítor foi agredido de surpresa por William Bonfim Nobre Freitas e Felipe Melo dos Santos. William também está preso e

Felipe é considerado foragido pela polícia.

"Na confusão, consegui separar e pedi para Vítor atravessar a rua. Ele atravessou. Quando voltei para falar com Tadeu, fui agredido pelas costas por todo mundo", contou o jovem.

Kleber disse ainda que Tadeu atravessou a rua para agredir Vítor, seguido por William.

"Conseguiram imobilizar o Vítor e ele estava tomando muitos golpes na cabeça. Foi mordido nas costas", contou Kleber, explicando que, nesse momento, Rafael chegou e o segurou, impedindo-o de ajudar o amigo Vítor.

Além de Felipe Melo dos Santos, a polícia considera foragido também Edson Luís Júnior, que estarai no grupo agressor. Os dois são procurados pela polícia nos endereços que constam em nome deles. A expectativa é que eles se apresentem à polícia ainda nesta terça para prestar depoimento e em seguida serão levado à Polinter.

A polícia quer ainda explicações de um homem que postou mensagens em favor dos agressores em sua página numa rede social. Segundo a polícia, ele seria militar da Aeronáutica e a FAB já abriu sindicância para apurar o fato.

Mendigo não se lembra

Na noite de segunda-feira (6), o mendigo que foi agredido pelo grupo de jovens disse, em depoimento, que não se lembra de nada. As informações são da 37ª DP (Ilha do Governador), responsável pelo caso.
Segundo a polícia, o morador de rua estava num abrigo da prefeitura também na Ilha do Governador. Ele foi localizado através de informações.

veja também