MENU

Química perigosa - Crimes sexuais estimulam crimes sexuais

Química perigosa - Crimes sexuais estimulam crimes sexuais

Atualizado: Quinta-feira, 9 Abril de 2009 as 12

Álcool e drogas embalaram os crimes sexuais praticados por boa parte dos condenados pesquisados pelo psiquiatra Danilo Baltieri.

Depois de entrevistar 218 apenados, o psiquiatra Danilo Baltieri, responsável pela assistência aos alcoólicos e dependentes químicos do Hospital das Clínicas de São Paulo e coordenador do Ambulatório de Transtornos da Sexualidade (ABSEX) da Faculdade de Medicina do ABC, descobriu que os agressores sexuais são um grupo para lá de heterogêneo. Mas um dado é recorrente em grande parte dos casos: o consumo inadequado de bebidas alcoólicas e/ou drogas no dia da agressão. O psiquiatra, que também é membro do Conselho Penitenciário do Estado de São Paulo, falou a CRIATIVA sobre sua pesquisa.

CRIATIVA -O que leva os homens a cometer crime sexual?

Danilo Baltieri - Uma combinação de motivos. Os agressores não conseguem controlar sua impulsividade sexual. Somado a isso, têm uma percepção distorcida da realidade, agravada pelo abuso do álcool e de outras drogas, e ainda por crenças extremamente machistas. Eles acreditam que figuras femininas estão sempre emitindo mensagens de conteúdo sexual. Quando uma mulher cruza as pernas, entendem que ela quer fazer sexo.

CRIATIVA - O senhor afirma que o consumo inadequado de álcool e outras drogas pode desencadear os crimes sexuais. Por quê?

Danilo Baltieri - Eles desinibem e liberam os impulsos nos indivíduos em geral. No caso dos agressores, que já não conseguem se conter em situação normal, essas substâncias vão produzir efeitos mais intensos. Eles perdem o controle sobre si mesmos e a noção de limite, além de distorcer ainda mais sua compreensão da realidade. O álcool, a propósito, tem um papel decisivo nos estupros. Até 60% dos agressores haviam bebido no dia em que cometeram a agressão - e até 55% das mulheres estupradas também tinham consumido álcool. Isso, claro, facilita o ato do agressor, pois a bebida diminui a capacidade de defesa da vítima.

CRIATIVA - Todos os agressores sofrem de graves distúrbios mentais?

Danilo Baltieri -Nem todos. Os pedófilos e alguns agressores de mulheres são realmente vítimas de transtornos psiquiátricos sérios - de personalidade, de preferência sexual - e devem ser tratados com terapia e medicação para controlar seus impulsos desviantes. A falta de tratamento adequado contribui para a reincidência. Outros agressores, por sua vez, não têm transtornos mentais. Mas, na minha opinião, também precisam de cuidados médicos e psicossociais para evitar a reincidência, pois apresentam uma ampla gama de comportamentos desviantes e pensamentos disfuncionais.

CRIATIVA - Qual é o perfil dos agressores de crianças e de mulheres?

Danilo Baltieri -Os primeiros têm cerca de 40 anos, a maioria molesta crianças conhecidas, em geral filhos e enteados, e é mais dependente de álcool do que das drogas. Os agressores de mulheres são mais jovens, com 33 anos, em média, atacam desconhecidas e abusam mais das outras drogas. Em minha pesquisa, o abuso de drogas está significativamente mais associado à agressão de mulheres. mas todos os agressores têm, em sua maioria, baixo nível socioeconômico. Entre os molestadores de crianças, 60% são casados, 20%, solteiros, 18%, separados e 2%, viúvos. Entre os agressores de mulheres, 50% são casados, 30%, solteiros e 20%, separados.

CRIATIVA - Como agem os pedófilos?

Danilo Baltieri -Grande parte prefere acariciar genitais e fazer sexo oral a praticar ato sexual vaginal e anal. Entre eles, há os pedófilos homossexuais, que molestam meninos, e os heterossexuais, que agridem meninas. Também há os que não praticam nenhum tipo de ato sexual em si, apenas fantasiam sexo com crianças. Para abordar, há duas estratégias: os que “gostam” de crianças procuram agradá-las para ganhar sua confiança, dando doces, brinquedos, dinheiro. Os chamados pedófilos agressivos fazem sexo à força e até batem nas vítimas.

CRIATIVA - E os agressores de mulheres?

Danilo Baltieri -Eles agem de modo variado. Podem puxar conversa com uma mulher em um bar, por exemplo, esperá-la sair para segui-la e agredi-la. Ou atacar uma total desconhecida na rua. Esta é a opção da maioria. Alguns estupradores também agridem as mulheres fisicamente, para subjugá-las.

CRIATIVA - Os agressores sexuais sentem-se mal depois da violência?

Danilo Baltieri -Nem todos. Alguns sentem-se culpados, sim, por não conseguirem superar esse problema. Outros não sentem nada.

Texto: Eloisa Deveze

Foto: Luludi/Luz

veja também