MENU

Rabelo: Dilma terá de 'levar em conta' papel do PCdoB no governo Lula

Rabelo: Dilma terá de 'levar em conta' papel do PCdoB no governo Lula

Atualizado: Quarta-feira, 10 Novembro de 2010 as 10:09

O presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, se reuniu nesta terça-feira (9) com o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, para discutir as demandas do partido no próximo governo e afirmou que a presidente Dilma Rousseff terá de "levar em conta” o trabalho desempenhado pela sigla ao longo dos dois mandatos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Questionado se o partido estaria determinado a manter os cargos que tem na esplanada – o PCdoB detém o controle do Ministério do Esporte –, Rabelo disse que o partido vai apenas cobrar a "contribuição” prestada pela sigla: "O problema não é que a gente não abre mão [dos cargos]. É que o PCdoB, como responsabilidade de governo, cumpriu o seu papel e ela é que vai levar em conta isso, a futura presidente.”

Para o presidente do PCdoB, o partido foi fundamental nos momentos de dificuldade e de crise do primeiro governo Lula. "O primeiro governo Lula, no momento mais difícil de crise, o PCdoB deu a sua contribuição com Aldo Rebelo. Ele foi o primeiro líder do governo na Câmara. Foi o primeiro ministros das Relações Institucionais e chegou a ser o presidente da Câmara naquele período mais agudo de dificuldade do governo Lula. Então, nós demos a nossa contribuição”, disse Rabelo.

Rabelo ficou cerca de duas horas reunido com Dutra. O presidente do PCdoB conversou com os jornalistas ao deixar a sede do PT em Brasília e disse que o presidente petista apenas ouviu as demandas e prometeu levar as questões a Dilma: "O presidente do PT recebeu da presidente Dilma o mandato de ouvir os partidos que compõem a coligação. Portanto, ele não transmite opinião com referência à formação de governo, ou qual seria a proposta da presidente, critérios.”

Ministério do Esporte

Sobre a continuidade dos trabalhos do ministro do Esporte, Orlando Silva, o presidente nacional do PCdoB disse que o partido foi responsável por estruturar a pasta e, por esse motivo, teria uma "contribuição maior ainda” para dar no governo Dilma.

"Quem montou o Ministério dos Esportes foram os quadros do PCdoB. Começou com o Agnelo Queiroz [eleito governador do Distrito Federal], que era do PCdoB e continuou com o Orlando Silva. Hoje, aliás, é um ministério até cobiçado. Nem existia esse ministério. Então, a experiência nossa mostra que nós podemos dar uma contribuição maior ainda nesse ministério, porque quem domina hoje a realidade do esporte são esse quadros do PCdoB”, disse Rabelo.

Guerra cambial e CPMF

O presidente do PCdoB também disse ter conversado com Dutra sobre questões importantes para o país, como a guerra cambial em curso no mundo e a necessidade de encontrar mecanismos para financiar a saúde no país. Rabelo, no entanto, disse que era "prematuro” debater o retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Para ele, há outras formas de financiar a saúde sem que seja necessário criar um novo imposto.

Especificamente sobre a guerra cambial, o presidente do PCdoB defendeu a adoção de medidas internas que protejam o país e também afirmou que o Brasil precisa trabalhar por acordos multilaterais que contenham o problema junto à comunidade internacional: "A guerra cambial tem impacto sobre o Brasil. Não é um problema internacional. Aliás, o Brasil está pagando caro por causa dessa guerra cambial. Acho que tem de atuar em duas frentes, no front externo, para buscar uma saída multilateral, e no front interno também é preciso algumas medidas.”

Transição

O presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, é um dos responsáveis por coordenar as conversas com os partidos da coligação de Dilma. Dutra terá reuniões diárias para centralizar demandas dos partidos, que serão apresentadas a Dilma em um segundo momento. Além do encontro com o PCdoB, Dutra, ainda nesta terça, tem uma reunião com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, com o objetivo de receber as demandas dos pedetistas para o próximo governo.

Partido Progressista

O presidente nacional do PP, senador Francisco Dornelles (RJ), também conversou com Dutra nesta terça. Ele voltou a comemorar a vitória de Dilma nas eleições, garantiu o apoio integral da sigla à petista e disse a Dutra que o PP ficará honrado em ser chamado a participar do novo governo.

"Ainda apresentamos três projetos que estão no Congresso e são prioridades para o partido, como a redução da Cofins sobre obras de saneamento, a criação do conselho de defesa comercial e a desoneração de investimentos", disse Dornelles.

Por: Robson Bonin

veja também