Rádio de táxi em SP tem linha direta com a PM, diz secretário

Rádio de táxi em SP tem linha direta com a PM, diz secretário

Atualizado: Terça-feira, 12 Julho de 2011 as 12:11

Encontro de taxistas com o governo de SP foi mar-

cado após protesto da categoria, na segunda-feira,

no Pacaembu (Foto: Caroline Hasselmann/G1)

  O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto, anunciou na manhã desta terça-feira (12) medidas para garantir a segurança de taxistas paulistanos. A principal delas é um canal direto entre motoristas e a Polícia Militar. Desde esta segunda (11), segundo Ferreira Pinto, os taxistas já conseguem se comunicar diretamente com a polícia usando os rádios dos carros.

As medidas foram anunciadas em uma reunião que contou com a presença de cerca de dez representantes de cooperativas de táxis, do governador Geraldo Alckmin, e do coronel Álvaro Camilo, comandante geral da Polícia Militar, no Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, na Zona Sul da capital. O encontro foi marcado após a manifestação realizada pelos taxistas que paralisaram suas atividades e lotaram a Praça Charles Miller, no Pacaembu, na Zona Oeste, na manhã desta segunda (11). Eles protestaram contra a morte do taxista Eduardo Pereira, de 37 anos, no sábado (9). Pereira foi morto com um tiro na cabeça, na Zona Sul.

  Além do canal direto de comunicação, o secretário informou que será reforçado o efetivo policial em grandes avenidas da Zona Sul de São Paulo onde, segundo os taxistas, acontece a maior parte dos assaltos. A fiscalização deverá ser ampliada na Estrada do M’Boi Mirim e na Marginal Pinheiros, por exemplo.

“Foi mais produtivo do que eu imaginava, porque mobilizou todo o pessoal de Segurança do estado. Espero que isso tudo melhore a situação”, disse o presidente da Use Táxi, Éder Souza, cooperativa da qual o taxista morto fazia parte.

Suspeito preso

Nesta manhã, a Secretaria de Segurança Pública informou que um homem suspeito de envolvimento na morte do taxista Eduardo Pereira foi preso na favela Alfaia, na região da Avenida Santa Catarina, também na Zona Sul da capital paulista. Ainda segundo a secretaria, um outro foi suspeito foi reconhecido por uma testemunha e está sendo procurado. A polícia suspeita que Pereira tenha sido vítima de latrocínio.          

veja também